Formação de professores quilombolas e o Programa Etnomatemática: repensando processos de ensino da Matemática

Resumo

Este artigo é fruto do desenvolvimento de uma oficina no Programa de Formação de Docentes das Escolas Quilombolas da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (SEDUCE) do Estado de Goiás, o programa é direcionado às comunidades quilombolas que atendem alunos do 1º ao 9º ano do Ensino Fundamental e na Educação de Adolescentes, Jovens e Adultos (EJA). A oficina fez uso de jogos africanos, tais como: Tsoro Yematatu, Shisima e Oware. Como sustentação teórica, tomamos como ponto de partida o Programa Etnomatemática, que de acordo com D’Ambrosio (1997, 1999, 2005, 2012), é uma estratégia para fazer com que os indivíduos desenvolvam seu potencial criativo e suas próprias habilidades para, assim, compreender e transcender os mais diversos ambientes socioculturais. Pautamo-nos na abordagem qualitativa. Como instrumento para constituição de dados que representasse os elementos que potencializaram a formação continuada de professores de Matemática quilombolas, fizemos uso de um questionário aplicado ao final da oficina. Consideramos que para promover o reconhecimento de ações metodológicas para o ensino de Matemática que vise combater às diferenças, a desigualdade e a discriminação e quem sabe vislumbrar a verdadeira equidade nas relações socioculturais, precisa-se investir em várias frentes, por exemplo, na formação do educador.

Palavras-chave: Programa Etnomatemática, Oficina, Jogos Africanos.

 

Education of quilombolas teachers and the Ethnomathematics Program: rethinking about processes of teaching Mathematics

ABSTRACT. This article is carried out with the help of a teacher training workshop of the Education, Culture and Sport Sciences Program (SEDUCE). The program is directed to the quilombola communities that serve 1st year students of 9th grade. Primary Education and in the Education of Teenagers, Youth and Adults (EJA). The workshop made use of African games, such as: Tsoro Yematatu, Shisima and Oware. According to D'Ambrosio (1997, 1999, 2005, 2012), it is a strategy to make the slopes develop their potential and their mathematical abilities, thus understanding and transcending the other sociocultural environments. We are looking at the qualitative approach. As an instrument for the constitution of data that represent the elements that potentiate a continuous formation of Mathematics teachers, the use of a questionnaire at the end of the workshop. The evaluation of tracking metological measures to the teaching of teaching statistics which are to promote the differential and whoognects or cognitive to visine autodispersible, need-to-shear in the subject, in action to education.

Keywords: Ethnomathematics Program, Workshop, African Games.

 

Formación de profesores quilombolas y el Programa Etnomatemáticas: repensando procesos de enseñanza de las Matemáticas

RESUMEN. Este artículo es fruto del desarrollo de un taller en el Programa Etnomatemáticas, desarrollada por medio de un taller en el Programa de Formación de Docentes de las Escuelas Quilombolas de la Secretaría de Estado de Educación, Cultura y Deporte (SEDUCE) del Estado de Goiás, destinada a las comunidades quilombolas que atienden alumnos del 1º al 9º año de la Enseñanza Fundamental y en la Educación de Adolescentes, Jóvenes y Adultos (EJA). El taller hizo uso de juegos africanos, tales como: Tsoro Yematatu, Shisima y Oware. Como sustentación teórica, tomamos como punto de partida el Programa Etnomatemáticas que de acuerdo con D'Ambrosio (1997, 1999, 2005, 2012), es una estrategia para hacer que los individuos desarrollen su potencial creativo y sus propias habilidades para, así, comprender y trascender los más diversos ambientes socioculturales. Nos ponemos en el enfoque cualitativo. Como instrumento para la constitución de datos que representaba los elementos que potenciaron la formación continuada de profesores de Matemáticas quilombolas, hicimos uso de un cuestionario aplicado al final del taller. Consideramos que, para promover el reconocimiento de acciones metodológicas para la enseñanza de las Matemáticas destinadas a combatir las diferencias, la desigualdad y la discriminación, hasta para conjeturar la verdadera equidad en las relaciones socioculturales, se necesita investir en varios frentes, por ejemplo, el educador.


Palabras clave: Programa Etnomatemáticas, Taller, Juegos Africanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Érika Lúcia Ferreira de Jesus, Universidade Estadual de Goiás - UEG

Possui graduação em Matemática pela Universidade Estadual de Goiás (2016). Ex-Bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (2014-2016)

Roberto Barcelos Souza, Universidade Estadual de Goiás - UEG

Licenciado em Matemática (UFG), Mestre em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Goiás (UFG) e Doutor em Educação Matemática pela (UNESP/RIO CLARO), sob orientação do Professor Ubiratan DAmbrósio. Professor do Curso de Licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG) Campus de Quirinópolis. Professor do Programa de Pós-graduação Stricto Sensu em Ensino de Ciências - Campus Henrique Santillo e professor colaborador no Programa de Pós-graduação Stricto Sensu Educação em Ciências e Matemática UFG. Coordenador de Gestão PIBID-UEG e Coordenador Pedagógico da Universidade Estadual de Goiás - Campus Quirinópolis. Como Linha de Pesquisa: Programa Etnomatemática; Formação de Professores e processos de ensino e aprendizagem de Matemática.

Referências

Anjos, R. S. A., & Cypriano A. (2006). Quilombolas: tradições e cultura da resistência. São Paulo: Aori Comunicação.

Baiocchi, M. N. (1999). Kalunga: povo da terra. Brasília: Ministério da Justiça/Secretaria dos Direitos Humanos.

Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (1994). Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora.

Brasil. Resolução Nº 8, de 20 de novembro de 2012. (2012). Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola na Educação Básica. Recuperado de: http://etnicoracial.mec.gov.br/images/pdf/diretrizes_curric_educ_quilombola.pdf

______. Lei n. 10.639 de 9 de janeiro de 2003. (2003, 10 de janeiro). Altera a Lei n. 9. 394, de 20 de dezembro de 1996. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm

______. Parâmetros curriculares nacionais: Matemática / Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Brasília. MEC. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/matematica.pdf

Contreras, J. (2012). A autonomia de professores. 2. ed. São Paulo: Cortez.

D’Ambrosio, U. (2012). Educação matemática: da teoria à prática. 23. ed. Campinas: Papirus.

______. (2005). Etnomatemática: elo entre as tradições e a modernidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica. (Coleção Tendências em Educação Matemática).

______. (1999). Educação para uma sociedade em transição. Campinas, SP: Papirus.

______. (1997). Transdisciplinaridade. São Paulo: Palas Athena.

Domite, M. C. S. (2004). Da compreensão sobre formação de professores e professoras de Matemática numa perspectiva Etnomatemática. In Knijnik, G.; Wanderer, F., & Oliveira, C. J. (Orgs.). Etnomatemática, currículo e formação de professores. (pp. 419-431). Santa Cruz do Sul: EDUNISC.

Gil, A. C. (1999). Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas.

Knijnik, G. et al. (2012). Etnomatemática em movimento. Belo Horizonte: Autêntica. (Coleção Tendências em Educação Matemática).

Monteiro, A., Orey, D. C., & Domite, M. C. S. (2006). Etnomatemática: papel, valor e significado. In Ribeiro, J. P. M., Domite, M. C. S., & Ferreira, R. (Orgs.). Etnomatemática: papel, valor e significado (pp. 13-37) Porto Alegre: Zouk.

Moura, G. (Org.). (2007). Educação Quilombola. Boletim n. 10, Rio de Janeiro: Programa Salto para o Futuro.

Ribeiro, C. M., & Pereira, M. C. (2016). As escolas quilombolas em Goiás: retrato da escola na relação com o poder público dos anos 2000. Polyphonía, 27(1), 259-270.

Ripoll, O., & Curto, R. M. (2011). Jogos de todo o mundo. 2. ed. São Paulo: Ciranda Cultural.

Santos, B. P. (2007). Paulo Freire e Ubiratan D’Ambrosio: contribuições para a formação do professor de matemática no Brasil. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo.

Souza, R. B. (2010). Etnomatemática e documentários: uma perspectiva para formação inicial de professores de matemática. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Goiás, Goiânia.

Tibúrcio, B. A., & Valente, A. L. E. F. (2007). O comércio justo e solidário é a alternativa para segmentos populacionais empobrecidos? Estudo de caso em Território Kalunga (GO). Revista de Economia e Sociologia Rural, 45(2), 497-519.

Zaslavsky, C. (2000). Jogos e atividades matemáticas do mundo inteiro: diversão multicultural para idades de 8 a 12 anos. Porto Alegre: Artmed.

Publicado
2018-12-07
Como Citar
Ferreira de Jesus, Érika L., & Souza, R. (2018). Formação de professores quilombolas e o Programa Etnomatemática: repensando processos de ensino da Matemática. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 3(3), 1064-1083. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2018v3n3p1064
Seção
Artigos / Articles / Artículos