Feminismo camponês e popular: uma história de construções coletivas

Resumo

O artigo descreve e analisa o processo de construção do Feminismo Camponês e Popular no Movimento de Mulheres Camponesas (MMC), sendo esse um assunto novo nos estudos acadêmicos. A metodologia utilizada é a pesquisa participante e a pesquisa-ação devido à inserção direta das autoras nesse movimento há mais de quinze anos. Como parte dos resultados dessa inserção, temos três dissertações de mestrado (Conte, 2011; Cinelli, 2012; Santos, 2012) e duas teses de doutorado (Conte, 2014; Cinelli, 2016). Além disso, houve a participação das autoras no processo de debate sobre o Feminismo Camponês e Popular no MMC nos últimos três anos. Destacamos como aspecto relevante o fato de que o Feminismo Camponês e Popular é fruto da identidade coletiva das mulheres do MMC em luta. Sobretudo, ele é construído na articulação com outras organizações camponesas de mulheres e feministas, ancoradas no universo de trabalho, na defesa da agroecologia e na liberdade/libertação, almejando a construção de uma sociedade justa e solidária, ou seja, socialista.

Palavras-chave: Feminismo Camponês e Popular; Movimento de Mulheres Camponesas; Lutas.

 

Peasant and popular feminism: a history of collective constructions                                         

ABSTRACT. The following article describes and analyses the process of construction of the Peasant Popular Feminism in the Peasant Women's Movement (MMC), a new subject of academic studies. The methodology used is participatory action research, given the direct immersion of the authors in said movement for more than fifteen years. As part of the results of this immersion, we have three Master's dissertations (Conte, 2011; Cinelli, 2012; Santos, 2012) and two Doctorate's theses (Conte, 2014; Cinelli, 2016). Furthermore, the authors were involved in the process of debating the Peasant Popular Feminism in MMC for the past three years. We highlight the relevance of the fact that the Peasant Popular Feminism is fruit of the collective identity of the fighting MMC women. Above all, it is constructed in dialogue with other peasant's organizations of working women and feminists, in the defense of agroecology and freedom/liberation, and hoping to build a fair and solidary, that is to say, socialist society.

keywords: Peasant Popular Feminism; Peasant Women's Movement; Fights.

 

 

Feminismo campesino y popular: una historia de construcciones colectivas

RESUMEN. El presente artículo describe y analiza el proceso de construcción del Feminismo Campesino y Popular en el Movimiento de Mujeres Campesinas (MMC), siendo este un tema nuevo en los estudios académicos. La metodología utilizada es la investigación participante y la investigación-acción debido a la inserción directa de las autoras en ese movimiento desde hace más de quince años. Como parte de los resultados de esta inserción, tenemos tres disertaciones de maestría (Conte, 2011; Cinelli, 2012; Santos, 2012) y dos tesis de doctorado (Conte, 2014; Cinelli, 2016). Además, hubo la participación de las autoras en el proceso de debate sobre el Feminismo Campesino y Popular en lo MMC en los últimos tres años. Destacamos como aspecto relevante el hecho de que el Feminismo Campesino y Popular es fruto de la identidad colectiva de las mujeres del MMC en lucha. Sobre todo, se construye en la articulación con otras organizaciones campesinas de mujeres y feministas, ancladas en el universo de trabajo, en la defensa de la agroecología y en la libertad / liberación, buscando la construcción de una sociedad justa y solidaria, o sea, socialista.

Palabras clave: Feminismo Campesino y Popular; Movimiento de Mujeres Campesinas; Luchas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michela Katiuscia Alves dos Santos Calaça, Universidade Federal Rural do semiárido - UFERSA

Possui graduação em AGRONOMIA pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido (2006), MESTRADO em SERVIÇO SOCIAL pela Universidade Federal de Pernambuco (2012), está cursando o segundo ano do doutorado em Ciências Sociais na Universidade federal de campina Grande (UFCG), com auxílio de bolsa CAPES, atuando principalmente nos seguintes temas: lutas das mulheres camponesas, Campesinato, agroecologia, soberania alimentar, relações patriarcais de sexo e Feminismo camponês e popular. 

Isaura Isabel Conte, Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS/2014) com Doutorado Sanduíche realizado na Universidad Nacional Autónoma de México, Facultad de Filosofía y Letras com apoio do CNPq Brasil/2013. Mestra em Educação pela Universidade Regional do Noroeste do Rio Grande do Sul (2011). Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (2007). Possui experiência na área de Educação em contextos escolares e não escolares, incluindo atuação em Pedagogia da Alternância. Atua principalmente nos seguintes temas: educação, políticas de educação do campo, didática e planejamento escolar, educação popular e movimentos sociais, mulheres camponesas, feminismo e campesinato, direitos humanos. Participa do grupo de estudos Educação e Direitos Humanos do CRDH/Unemat campus Cáceres e do Grupo de Pesquisa CNPq - SOU - Sociedade, Universidade e Cultura. Concluiu Pós-Doutorado Júnior no ano de 2016. Professora adjunta da Universidade Federal de Rondônia (UNIR) campus Ji-Paraná. (Texto informado pelo autor)

Catiane Cinelli, Universidade Federal de Rondônia - UNIR

Professora no curso de Licenciatura em Educação do Campo, Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Campus Rolim de Moura. Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, 2016), na Linha de Pesquisa Trabalho, Movimentos Sociais e Educação, com bolsa Capes; Mestra em Educação nas Ciências pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUI, 2012),com bolsa CAPES; Especialista em Psicopedagogia pela Faculdade de Ciências Aplicadas/Celer Faculdades (2010). Graduada em Pedagogia: Anos Iniciais do Ensino Fundamental - Crianças, Jovens e Adultos, pela Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS, 2007). Atua na Educação Popular, Educação do Campo e Movimentos Populares, em especial com Mulheres Camponesas. Pesquisadora na Universidade Federal de Pelotas.

Referências

Alves, B., & Pitanguy, J. (2003). O que é feminismo? São Paulo, SP: Brasiliense.

Beauvoir, S. (1980a). O segundo sexo. v. I. Rio de Janeiro, RJ. Nova fronteira.

Beauvoir, S. (1980b) O segundo sexo. v. II. Rio de Janeiro, RJ: Nova fronteira.

Butler, J. (1998). Fundamentos contingentes: o feminismo e o pós-modernismo. Cadernos Pagu. 11, 11-42.

Butler, J. (2010). Problemas de gênero, feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Calaça, M., & Seibert, I. (2017). Aproximações teórico/político entre a agroecologia e o feminismo camponês popular do MMC. Brasília, DF. (Anais ainda não publicados)

Cinelli, C., & Mezadri, A. M. (2014). A construção do feminismo no Movimento de Mulheres Camponesas. [texto impresso].

Cinelli, C. (2012). Programa de sementes crioulas de hortaliças: experiência e identidades no Movimento de Mulheres Camponesas. (Dissertação de Mestrado). Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Ijuí.

Cinelli, C. (2016). O educativo na experiência do Movimento de Mulheres Camponesas: resistência, enfrentamento e libertação. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Cisne, M. (2014). Feminismo e consciência de classe. São Paulo, SP: Cortez.

Cloc. (2016). ¿Quiénes somos? Recuperado de: http://www.cloc-viacampesina.net/

Conte, I. I., Martins, M. D., & Daron, V. P. (2009). Movimento de mulheres camponesas: na luta a construção de uma identidade feminista, popular e camponesa. In Paludo, C. (Org.). Mulheres, luta e resistência em defesa da vida (pp. 86-132). São Paulo, SP: Cebi.

Conte, I. I. (2011). Mulheres camponesas em luta: resistência, libertação e empoderamento. (Dissertação de Mestrado). Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul, Unijuí.

Conte, I. I. (2014). O processo educativo da luta e do trabalho das mulheres: Via Campesina no Brasil, UNORCA/UNMIC e CONAMI no México. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Conte, I. I., Weschenfelder, N. V., & Cinelli, C. (2010). A Construção do feminismo e da identidade camponesa no Movimento de Mulheres Camponesas. Fazendo Gênero. 9 Diásporas, Diversidades, Deslocamentos, 23 a 26 de agosto de 2010. Recuperado de: http://www.fazendogenero.ufsc.br/9/

Davis, A. (2016). Mulheres, raça e classe. São Paulo, SP. Boitempo.

Duriguetto, M. L. (2014). A questão dos intelectuais em Gramsci. Revista Serviço Social e Sociedade, 118, 265-293.

Freire, P., & Nogueira, A. (1993). Que fazer: teoria e prática da educação popular. Petrópolis, RJ: Vozes.

Foucault, M. (1979). Microfísica do poder. Rio de Janeiro, RJ: Graal.

Foucault, M. (1996). A ordem do discurso. São Paulo, SP: Loyola.

Foucault, M. (2007). As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Kergoat, D. (2009). Divisão sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In Hirata, H. et al. (Orgs.). Dicionário crítico do feminismo (pp. 67). São Paulo, SP: UNESP.

Lyotard. J. (1998). A condição pós-moderna. Rio de Janeiro, RJ: José Olympio.

Marx, K. (2010). O capital: Crítica da economia política. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira.

Mészaros, I. (2002). Para além do capital. São Paulo, SP: Boitempo.

Movimento de mulheres camponesas. (2008). MMC/SC: Uma história de organização, lutas e conquistas. Chapecó, SC: Gráfica Rota.

Ploeg, J. D. V. D. (2008). Camponeses e impérios alimentares: lutas por autonomia e sustentabilidade na era da globalização. Porto Alegre, RS: UFRGS, 2008.

Saffioti, H. (1969). A mulher na sociedade de classes. Mito e realidade. São Paulo, SP: Quatro Artes.

Saffioti, H. (2004). Gênero, patriarcado e violência. São Paulo, SP: Fundação Perseu Abramo.

Santos, M. K. C. A. (2012). Rompendo a cerca do isolamento: as relações entre a agroecologia e as questões de gênero. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Silva, C. S. (2011). Pensar o futuro, bem viver o presente. Cadernos de Crítica Feminista, (4), 100-111.

Souza-Lobo, E. (2011). A classe operária tem dois sexos: trabalho, dominação e resistência. São Paulo, SP: Fundação Perseu Abramo.

Stédile, J. P., & Carvalho, H.M. (2012). Soberania alimentar. In Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 716-725). Rio de Janeiro, RJ; São Paulo, SP: Expressão popular.

Zetkin, C. (1896). Apenas junto com as mulheres proletárias o socialismo será vitorioso. Berlim: Marxist.org. Recuperado de: https://www.marxists.org/portugues/zetkin/1896/10/16.htm

Publicado
2018-12-23
Como Citar
Calaça, M., Conte, I., & Cinelli, C. (2018). Feminismo camponês e popular: uma história de construções coletivas. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 3(4), 1156-1183. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2018v3n4p1156