Por uma Ciência popular da vida: ancestralidade e Agroecologia na formulação das Ciências da Natureza da Educação do Campo

Resumo

A intenção deste artigo é propor, a partir de aspectos históricos e conceituais, uma Ciência da Natureza da Educação do Campo. Para essa tarefa, analisamos alguns marcos históricos com o propósito de aproximar o ensino de Ciências das questões ambientais e apresentamos um caráter popular destas questões no mundo ocidental, para evidenciar o papel da memória biocultural na sustentabilidade do planeta. Em seguida, é feita uma retomada das Ciências da Natureza em sua constituição curricular ao longo do século XIX, correlacionando-as com os projetos de sociedade em disputa. Ao reconhecer o modo agroindustrial de apropriação de ecossistemas como produtor de falhas metabólicas irreparáveis na relação entre sociedade e ambiente, finalmente estabelecemos um ensino de Ciências para a Educação do Campo, que faz da Agroecologia e dos modos de apropriação dos agroecossistemas elementos centrais de análise e orientação pedagógica.

Palavras-chave: Educação do Campo, Ciências da Natureza, Agroecologia, Memória Biocultural, História do Ensino de Ciências.

 

Stating a Popular Life Science: ancestry and Agroecology in the Formulation of Rural Education Science Teaching (Countryside)

ABSTRACT. The purpose of this article is to propose, from historical and conceptual aspects, a science teaching for Rural Education. For this task, we analyzed some historical facts with the purpose to present a popular view of the environmental problems in the western world, highlighting the role of biocultural memory in the sustainability of the planet. Subsequently, a resumption of the Life Sciences in its formulation process was made throughout the nineteenth century, correlating them with the projects of society in dispute. Recognizing the agro-industrial way of appropriating ecosystems as a producer of irreparable metabolic failures in the relationship between society and the environment, we finally established a science education that makes Agroecology and the modes of appropriation of agroecosystems central elements of analysis and pedagogical guidance.

Keywords: Rural Education, Life Sciences, Agroecology, Biocultural Memory, History of Science Teaching.

 

Por una Ciencia Popular de la vida: ancestralidad y Agroecología en la Formulación de las Ciencias de la Naturaleza de la Educación del Campo

RESUMEN. La intención de este artículo es proponer, a partir de aspectos históricos y conceptuales, una Ciencias de la Naturaleza de la Educación del Campo. Para esa tarea, analizamos algunos hitos históricos con el propósito de presentar un carácter popular de la cuestión ambiental en el mundo occidental, evidenciando el papel de la memoria biocultural en la sustentabilidad del planeta. A continuación, se hace una reanudación de las Ciencias de la Naturaleza en su proceso de formulación a lo largo del siglo XIX, correlacionando con los proyectos de sociedad en disputa. Al reconocer el modo agroindustrial de apropiación de ecosistemas como productor de fallas metabólicas irreparables en la relación entre sociedad y ambiente, finalmente establecemos una enseñanza de ciencias que hace de la Agroecología y de los modos de apropiación de los agroecosistemas elementos centrales de análisis y orientación pedagógica.

Palabras clave: Educación del Campo, Ciencias de la Naturaleza, Agroecología, Memoria Biocultural, Historia de la Enseñanza Ciencias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo de Albuquerque Vaz Pupo, Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA

Licenciado em Biologia, interesso-me pelo movimento cidade-campo e pelas áreas de Reforma Agrária. Pesquiso a Agroecologia como matriz curricular para as Ciências da Natureza na Educação do campo, buscando investigar a criação de práticas pedagógicas relacionadas à cultura, ao ambiente e à sociedade instigado pelas expressões concretas e simbólicas do campesinato brasileiro. Atuo em projetos de Educação do Campo e Agroecologia que envolvem Movimentos Sociais e Universidade, buscando compreender a importância da Agricultura Camponesa no cenário atual de produção agrícola e de conhecimento. A partir da Educação Popular, Pesquisa Ação e Metodologias Participativas, atuo no coletivo gestor da Plataforma Sementeia (sementeia.org) compreendendo a produção de mídias como um processo autóctone de criação simbólica, problematizando a relação entre política e estética numa perspectiva camponesa. Atualmente estou vinculado ao curso de Educação do Campo - Licenciatura, da Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA e Colaboro com o Laboratório Terra Mãe (Nepam/Feagri/IA Unicamp) em seus espaços pedagógicos. Tenho mestrado em Divulgação Científica e Cultural (Labjor/IEL Unicamp) e especialização na Residência Agrária em Educação do Campo e Agroecologia na Agricultura Familiar e Camponesa (Pronera/Feagri Unicamp); sou estudante de doutorado no Programa Multiunidades em Ensino de Ciências e Matemática, da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

Arroyo, M., Caldart, R., & Molina, M. (2009). Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes.

Amaral, I. A. (2001). Educação Ambiental e Ensino de Ciências: Uma história de controvérsias. Pró-Posições, 12(1), 73-93. Recuperado de https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/34-artigos-amaralia.pdf

Amaral, I. A. (2010). Que Educação Ambiental desejamos? A educação que revele plenamente o ambiente. Ciências em Foco, 1(3), 1-8. Recuperado de http://ojs.fe.unicamp.br/index.php/cef/article/view/4486/3531

Ancini, A., & Vaz Pupo, M. (2017). Organização do currículo escolar de acordo com especificidades locais, com foco no trabalho como princípio educativo. Anais do III Seminário Internacional de Educação do Campo, Resumo expandido. Recuperado de http://nuvem.terradesentidos.org/index.php/s/oKQ6Id8hGDxs77Y

Beatrici, R., & Mello, U. (2010). A pesquisa na construção do conhecimento agroecológico: a experiência da FUNDEP (RS). Revista Agriculturas, 7(4), 17-20.

Caldart, R. (no prelo). Trabalho, agroecologia e educação politécnica nas escolas do campo. In Questão agrária, cooperação e agroecologia, vol. III. São Paulo, SP: Outras Expressões.

Caldart, R. (2011). Licenciatura em Educação do Campo e projeto formativo: qual o lugar da docência por área? In Molina, M. C., & Sá, L. M. (Orgs.), Licenciaturas em educação do campo: registros e reflexões a partir das experiências piloto (p. 95–122). Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Crosby, A. (1993). Imperialismo ecológico: a expansão biológica da Europa. São Paulo: Companhia das Letras.

Cruz, V. D. (2012). Povos e Comunidades Tradicionais. In Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.) Dicionário da Educação do Campo (pp. 594-600). São Paulo, SP: Expressão Popular.

Darwin, C. (1913). A naturalist's voyage around the world. Recuperado de http://www.gutenberg.org/files/3704/3704-h/3704-h.htm

DeBoer, G. (1991). A history of ideas in science education. Implications for practice. New York; London: Teachers College Columbia Univ. XIV.

DeBoer, G. (2000). Scientic Literacy: Another Look at Its Historical and Contemporary Meanings and Its Relationship to Science Education Reform. Journal of Research in Science Teaching, 37(6), 581-601.

Foster, J. (2015). Marxismo e Ecologia: fontes comuns de uma Grande Transição. Lutas Sociais, 19(35), 81-97.

Freitas, L. C. (2005). Uma pós-modernidade de Libertação. Campinas, SP: Autores Associados.

Gonçalves Filho, J. (2004). A invisibilidade pública. In Costa, F. (Org.). Homens Invisíveis: relatos de uma humilhação social (pp. 04). São Paulo: Globo.

Guhur, D., & Toná, N. (2012). Agroecologia. In Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 57-64). Rio de Janeiro; São Paulo: EPSJV; Expressão Popular.

Juruna, S. R. (2013). Sabedoria Ancestral em Movimento: perspectivas para a sustentabilidade (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília, Brasília.

Kury, L. (2015). O naturalista Veloso. Rev Hist (São Paulo), 173(1), 243-277.

Lieblein, G., Caporali, F., Von Fragstein, P., & Francis, C. (2008). Research – Teaching Integration in Agroecology and Organic Farming. In Proceedings of the Second Scientific Conference of the International Society of Organic Agriculture Research (ISOFAR). Modena, Itália: Cultivating the Future Based on Science. Recuperado de http://orgprints.org/11979/

Lopes, M. M. (2005). Culturas das Ciências Naturais. Ciência & Educação, 11(3), 457-470. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v11n3/08.pdf

Lorenz, K. M. (2007). Relatório do Projeto: Os Livros Didáticos de Ciências para o Ensino Secundário Brasileiro do Século XIX. First International Symposium on Textbooks. Recuperado de https://works.bepress.com/karl_lorenz/41/

Lorenz, K. M. (2004). Rui Barbosa and the Argument for Teaching the Natural Sciences in the Brazilian Primary School of the XIX Century. Artigo não publicado, Sacred Heart University. Recuperado de https://works.bepress.com/karl_lorenz/39/.

Martins, A., Daros, D., Rolo, M., Cerioli, P., & Caldart, R. (2015). Seminário sobre o Ensino de Ciências da Natureza nas Escolas do Campo. In Caldart, R., Stedile, M. E., & Daros, D. (Orgs.), Caminhos para transformação da escola – Vol II: Agricultura camponesa, educação politécnica e escolas do campo (pp. 73-112). São Paulo: Expressão Popular.

Marx, K., & Engels, F. (1998). Manifesto do Partido Comunista. Estudos Avançados, 12(34), 7-46.

Maturana, H. (2001). Cognição, Ciência e Vida Cotidiana. Belo Horizonte: Editora UFMG.

McCormick, J. (1992). Rumo ao paraíso: a história do movimento ambientalista. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Pérez, D. G., Montoro, I. F., Alís, J. C., Cachapuz, A., & Praia, J. (2001). Para uma imagem não deformada do trabalho científico. Ciência & Educação (Bauru), 7(2), 125-153. doi:10.1590/s1516-73132001000200001

Ribeiro, D., Tiepolo, E., Vargas, M., & Silva, N. (Org). (2017). Agroecologia na educação básica: questões propositivas de conteúdo e metodologia. São Paulo, SP: Expressão Popular.

Rink, J. (2009). Análise da produção acadêmica apresentada nos encontros de pesquisa em educação ambiental (epea) (Dissertação de Mestrado). Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

Santos, C., Michelotti, F., & Sousa, R. (2010). Educação do Campo, Agroecologia e protagonismo social: a experiência do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária (Pronera). Revista Agriculturas, 7(4), 7-11. Recuperado de http://aspta.org.br/wp-content/uploads/2013/04/Agriculturas_V7N4_DEZ2010.pdf

Tardin, J. (2012). Cultura Camponesa. In In Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 178-186). São Paulo: Expressão Popular.

Toledo, V. M., & Barrera-Bassols, N. (2015). A memória biocultural: a importância ecológica das sabedorias tradicionais. São Paulo: Editora Expressão Popular.

Vaz Pupo, M., & Cardoso, M. (2010). Reflexões sobre a formação de técnicos-educadores em Agroecologia no campo paulista. Revista Agriculturas, 7(4), 12-16.

Wezel, A., Bellon, S., Doré, T., Francis, C., Vallod, D., & David, C. (2009). Agroecology as a science, a movement and a practice. A review. Agron. Sustain. Dev. 29(4), 503-515.

Publicado
2018-11-15
Como Citar
Pupo, M. de A. (2018). Por uma Ciência popular da vida: ancestralidade e Agroecologia na formulação das Ciências da Natureza da Educação do Campo. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 3(3), 862-890. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2018v3n3p862
Seção
Artigos / Articles / Artículos