Formação de professores em Ciências da Natureza para escolas do/no campo na UFFS – Campus Erechim: perspectivas e desafios

Resumo

Este trabalho tem o objetivo de evidenciar as perspectivas e os desafios encontrados na formação inicial de professores no Curso Interdisciplinar em Educação do Campo: Ciências da Natureza - Licenciatura da Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Erechim, para escolas do/no campo. Essa pesquisa bibliográfica e documental é de natureza exploratória, cuja abordagem foi do tipo qualitativa. Os principais resultados evidenciam desafios e potencialidades na formação de professores para as escolas localizadas nas comunidades indígenas e nas escolas do/no campo, bem como sua articulação com o Ensino de Ciências da Natureza (Química, Física e Biologia), tais como: a identidade cultural dos sujeitos, o choque de culturas (diferentes povos do campo e diferentes especificidades), os aspectos pedagógicos relacionados à organização e ao trabalho no regime de alternância. Esses elementos apontam para um perfil de professor formado em uma Licenciatura em Educação do Campo que precisa compreender as contradições culturais, ideológicas, sociais, políticas, científicas, tecnológicas, éticas e econômicas enfrentadas pelos sujeitos que vivem do e no campo. Esses resultados mostram a necessidade de ampliação das discussões sobre Ciência e Tecnologia e suas implicações sociais, visando fortalecer a identidade e a cultura do campo que lhe é própria.

Palavras-chave: Educação do Campo, Ensino de Ciências da Natureza,  Alternância, Formação de Professores.

 

Teacher training in Nature Sciences for rural schools in the UFFS - Campus Erechim: perspectives and challenges

ABSTRACT. This work aims to highlight the perspectives and challenges encountered in the initial training of teachers in the Interdisciplinary Course in Rural Education: Natural Sciences - Bachelor of the Federal University of the Southern Frontier, Campus Erechim, for schools in the countryside. This bibliographic and documentary research is of an exploratory nature, whose approach was of the qualitative type. The main results highlight the challenges and potentialities of teacher training for schools located in indigenous communities and schools in the countryside, as well as their articulation with the Teaching of Natural Sciences (Chemistry, Physics and Biology), such as: identity Cultural diversity of the subjects, the clash of cultures (different rural people and different specificities), pedagogical aspects related to organization and work in the alternation regime. These elements point to a teacher profile graduated in a Rural Education Degree that needs to understand the cultural, ideological, social, political, scientific, technological, ethical and economic contradictions faced by subjects living in and out of the field. These results show the need to broaden the discussions on Science and Technology and its social implications, aiming to strengthen the identity and culture of the field that is its own.

Keywords: Rural Education, Natural Sciences Teaching, Alternation, Teacher Training.

 

Formación de profesores en Ciencias de la Naturaleza para escuelas del campo en la UFFS - Campus Erechim: perspectivas y desafíos

RESUMEN. Este trabajo tiene el objetivo de evidenciar las perspectivas y los desafíos encontrados en la formación inicial de profesores en el Curso Interdisciplinario en Educación del Campo: Ciencias de la Naturaleza - Licenciatura de la Universidad Federal de la Frontera Sur, Campus Erechim, para escuelas del/en el campo. Esta investigación bibliográfica y documental es de naturaleza exploratoria, cuyo enfoque fue del tipo cualitativo. Los principales resultados evidencian desafíos y potencialidades en la formación de profesores para las escuelas ubicadas en las comunidades indígenas y en las escuelas del / en el campo, así como su articulación con la Enseñanza de Ciencias de la Naturaleza (Química, Física y Biología), tales como: la identidad Cultural de los sujetos, el choque de culturas (diferentes pueblos del campo y diferentes especificidades), los aspectos pedagógicos relacionados a la organización y al trabajo en el régimen de alternancia. Estos elementos apuntan a un perfil de profesor formado en una Licenciatura en Educación del Campo que necesita comprender las contradicciones culturales, ideológicas, sociales, políticas, científicas, tecnológicas, éticas y económicas enfrentadas por los sujetos que viven del y en el campo. Estos resultados muestran la necesidad de ampliar las discusiones sobre Ciencia y Tecnología y sus implicaciones sociales, con el fin de fortalecer la identidad y la cultura del campo que le es propia.

Palabras clave: Educación Rural, Enseñanza de Ciencias de la Naturaleza, Alternancia, Formación de Profesores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Moises Marques Prsybyciem, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS

Graduação em Licenciatura em Química, mestrado em Ensino de Ciência e Tecnologia. Professor do Curso Interdisciplinar em Educação do Campo: Ciências da Natureza – Licenciatura da Universidade Federal da Fronteira Sul.

Almir Paulo dos Santos, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS

Graduação em Filosofia e habilitação em História e Psicologia, mestrado e Doutorado em Educação.Professor do Curso Interdisciplinar em Educação do Campo: Ciências da Natureza – Licenciatura da Universidade Federal da Fronteira Sul. 

Jerônimo Sartori, Universidade Federal da Fronteira Sul - UFFS

Graduação em Biologia e Ciência, mestrado e Doutorado em Educação.Professor do Curso Interdisciplinar em Educação do Campo: Ciências da Natureza – Licenciatura e do Programa de Pós - graduação em Educação da Universidade Federal da Fronteira Sul.

Referências

Auler, D. (2007). Enfoque Ciência-Tecnologia-Sociedade: pressupostos para o contexto brasileiro. Revista Ciência e ensino, 1. Recuperado de: http://ltc-ead.nutes.ufrj.br/constructore/objetos/auler.pdf

Auler, D., & Delizoicov, D. (2006). Ciência-Tecnologia-Sociedade: relações estabelecidas por professores de ciências. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 5(2), 337-355. Recuperado de: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen5/ART8_Vol5_N2.pdf

Antunes-Rocha, M. I., & Martins, M. F. A (2011). Diálogo entre teoria e prática na Educação do Campo: Tempo Escola/Tempo Comunidade e alternância como princípio metodológico para organização dos tempos e espaços no curso de Licenciatura em Educação do Campo. In Molina, M. C., & Sá, L. M. (Orgs). Licenciaturas em educação do campo: registros e reflexões a partir das experiências - piloto (UFMG; UnB; UFBA e UFS (pp. 213-228). Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora.

Arroyo, M. G., Caldart, R. S., & Molina, M. C. (2004). Por uma educação do campo. Petrópolis, RJ: Vozes Editora.

Bastos, F. (2017). A pesquisa em educação em ciências e a formação de professores. Ciência & Educação, 23(2), 299-302. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v23n2/1516-7313-ciedu-23-02-0299.pdf

Brasil. (2005). Ministério da Educação e Cultura. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CES nº 15, 02 de fevereiro de 2005. Solicitação de esclarecimento sobre as Resoluções CNE/CP nº 1/2002, que institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena, e 2/2002, que institui a duração e a carga horária dos cursos de licenciatura, de graduação plena, de Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior. Brasília, DF.

Britto, N. S. (2011). Formação de professores e professoras em Educação do Campo por área de conhecimento - Ciências da Natureza e Matemática. In Molina, M. C., & Sá, L. M. (Orgs.). Licenciaturas em educação do campo: registros e reflexões a partir das experiências - piloto (UFMG; UnB; UFBA e UFS) (pp. 165-178). Belo Horizonte, MG: Editora Autêntica.

Britto, N. S., & Silva, T. G. R. (2015). Educação do Campo: formação em ciências da natureza e o estudo da realidade. Educ. Real, 40(3), 763-784. Recuperado de: http://ref.scielo.org/29hhhp

Caldart, R. S. (2004). Por uma educação do campo: traços de uma identidade em construção. In Arroyo M., Caldart, R., & Molina. M. (Orgs). Por uma Educação do Campo (pp. 147-160). Petrópolis, RJ: Editora Vozes.

Caldart, R. S., Stedile, M. E., & Daros, D. (Orgs.). (2015). Caminhos para transformação da escola 2: agricultura camponesa, educação politécnica e escolas do campo. São Paulo, SP: Expressão Popular Editora.

Candau, V. (2011). Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In Moreira, A. F., & Candau, V. (Orgs.). M. Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis, RJ: Vozes.

Carvalho, A. M. P., & Gil-Pérez, D. (1993). Formação de professores de Ciências: tendências e inovações. Coleção questões da nossa época, 28. São Paulo, SP: Cortez Editora.

Carvalho, A. M. P., et al. (2006). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo, SP: Editora Pioneira Thomson Learning.

Chassot, A. (2003). Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, 22, 89-100. Recuperado de: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-24782003000100009.

Chassot, A. (2006). Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. Ijuí: Ed. Editora Unijuí.

Fernandes, B. M., Cerioli, P. R., & Caldart, R. S. (2011). Primeira Conferência Nacional. “Por uma Educação Básica do Campo”. In Arroyo, M. G., Caldart, R. S., & Molina, M. C. (Orgs.) Por uma educação do campo (pp. 19-63). Petrópolis, RJ: Vozes Editora.

Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro, RJ: Editora Paz e Terra.

Gil, A. C. (1991). Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo, SP: Editora Atlas.

Haddad, S. (2012). Direito à Educação. In Caldart, R. S., Perreira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 215-222). Rio de Janeiro, RJ: Expressão Popular Editora.

Hodson, D. (1998). Learning and Teaching Science: Approach Personalized a Towards. Buckingham: Open University Press.

Hodson, D. (2014). Becoming Part of the Solution: Learning Activism, Learning through Activism, Learning from Activism. In Bencze, L., & Alsop, S. (Eds). Activist Science and Technology Education (pp. 67-98). Dordrecht: Springer Press.

Maldaner, O. A. (1999). A pesquisa como perspectiva de formação continuada do professor de química. Revista Química Nova, 22(2), 289-292: Recuperado de: http://quimicanova.sbq.org.br/imagebank/pdf/Vol22No2_289_v22_n2_20%2822%29.pdf

Molina, M. C., & Sá, L. M. (Orgs.). (2011). Licenciaturas em educação do campo: registros e reflexões a partir das experiências - piloto (UFMG; UnB; UFBA e UFS). Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora.

Morin, E. (2001). Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo, SP: Editora Cortez.

Pinheiro, N. A. M., Silveira, R. M. C. F., & Bazzo, W. A. (2007). Ciência, Tecnologia e Sociedade: a relevância do enfoque CTS para o contexto do ensino médio. Ciência & Educação, 13(1), 71-84. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S151673132007000100005&lng=en&nrm=iso&tlng=pt.

Projeto Pedagógico do Curso (PPC) Interdisciplinar em Educação do Campo (Ciências da Natureza) - Licenciatura do Campus Erechim. (2013). Recuperado de: https://www.uffs.edu.br/atos-normativos/ppc/ccieccner/2016-0001

Ribeiro, L. E. S., & Ballivian, J. M. P. (2013). Reflexões sobre o ensino da disciplina de Ciências no currículo de escolas Kaingang. In Benvenuti, J., Bergamaschi, M.A., & Marques, T. B. I.; (Orgs.). Educação Indígena sob o ponto de vista de seus Protagonistas (pp. 209-216). Porto Alegre, RS: Evangraf.

Santos, W. L. P., & Schnetzler, R. P. (2010). Educação em Química: compromisso com a cidadania. Ijuí: Unijuí Editora.

Silva, D., & Prsybyciem, M. M. (2016). Formação de Educadores Indígenas: Identidade, Autonomia e Práticas Pedagógicas. In Anais Seminário Regional Diálogos Interculturais, Currículo e Educação de Fronteira Étnico-Racial. Dourados. Recuperado de: https://drive.google.com/file/d/0B7AxcCGceUUEa2twVzlESElKa2M/view

Schnetzler, R. P. (2002). Concepções e alertas sobre formação continuada de professores de química. Química Nova na Escola, 16, 15-20. Recuperado de: http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc16/v16_A05.pdf

Publicado
2017-12-13
Como Citar
Prsybyciem, M., Santos, A., & Sartori, J. (2017). Formação de professores em Ciências da Natureza para escolas do/no campo na UFFS – Campus Erechim: perspectivas e desafios. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 2(3), 941-964. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2017v2n3p941