Ciências da Natureza e materialismo histórico-dialético: encontros e desencontros na formação de educadores do campo

Resumo

A temática deste artigo é produto da investigação realizada para monografia de especialização realizada pelo autor, onde, exploramos a relação particular dos movimentos sociais populares do campo (MSPdoC) com dois campos de estudo: a Educação do Campo e a Agroecologia. Aqui procuramos compreender a adoção do materialismo histórico-dialético na concepção originária de Educação do Campo dos MSPdoC como um fenômeno a parte. O fizemos com apoio da Sociologia do Conhecimento e da Filosofia e História da Ciência. Assim, o objetivo deste artigo é identificar encontros e desencontros do enlace entre a Ciências da Natureza e o materialismo histórico-dialético, ao relacionar com o projeto de formação de educadores do campo. Foi possível entender que o materialismo histórico-dialético é capaz de fundamentar novas análises sobre a realidade natural. Contudo, a disputa de concepção entre os sujeitos envolvidos na execução do projeto de Educação do Campo e os formatos disciplinares dos cursos de Pedagogia e Licenciatura nos aparece como desencontros. Outro desencontro se refere aos conteúdos dos materiais didáticos das Ciências da Natureza não convergirem a uma perspectiva co-evolutiva ou histórico-natural. O nosso trabalho encontra um horizonte possível, o princípio educativo do trabalho, tanto para o processo educativo quanto para o científico.

Palavras-chave: Educação do Campo, Ciências da Natureza, Filosofia da Ciência.

 

Natural Sciences and historical-dialectical materialism: meetings and disagreements in formation of rural teachers                                                                      

ABSTRACT. The theme of this article results of the research to the specialization monography conducted by the author, where we explored the particular relationship of the popular rural social movements (MSPdoC) with two fields of study in particular: Rural Education and Agroecology. Here we seek to understand the adoption of historical-dialectical materialism in the original conception of Rural Education of the MSPdoC as a phenomenon aside, worthy of reflection. We did so with the support of Sociology of Knowledge and Philosophy and History of Science. Thus, the aim of this article is to identify meetings and disagreements between the Natural Sciences and historical-dialectical materialism, as it relates to the education of rural teachers. It was possible to understand that historical-dialectical materialism is capable of substantiating new analyzes of natural reality. However, the conception dispute between the subjects involved in the implementation of the Rural Education project and the disciplinary formats of the Pedagogy and Graduation courses appear to us as disagreement. Another disagreement refers to the contents of didactic materials of the Natural Sciences do not converge to a co-evolutionary or historical-natural perspective. Our work finds to a possible horizon, the educational principle of work, both for the educational process and for the scientific.

Keywords: Rural Education, Natural Sciences, Philosophy of Science.

 

Ciencias de la Naturaleza y materialismo histórico-dialéctico: encuentros y desencuentros en la formación de educadores del campo

RESUMEN. La temática de este artículo es producto de la investigación para monografía de especialización realizada por el autor, donde exploramos la relación particular de los movimientos sociales populares del campo (MSPdoC) con dos campos de estudio en especial: la Educación del Campo y la agroecología. Aquí tratamos de comprender la adopción del materialismo histórico-dialéctico en la concepción originaria de Educación del Campo de los MSPdoC como un fenómeno aparte, digno de reflexión. Lo hicimos con apoyo de la Sociología del Conocimiento y de la Filosofía y Historia de la Ciencia. Así, el objetivo de este artículo es identificar encuentros y desencuentros del enlace entre las Ciencias de la Naturaleza y el materialismo histórico-dialéctico, al relacionarse con el proyecto de formación de educadores del campo. Es posible entender que el materialismo histórico-dialéctico es capaz de fundamentar nuevos análisis sobre la realidad natural. Sin embargo, la disputa de concepción entre los sujetos involucrados en la ejecución del proyecto de Educación del Campo y los formatos disciplinarios de los cursos de Pedagogía y Licenciatura nos aparece como desencuentros. Otro desencuentro se refiere a los contenidos de los materiales didácticos de las Ciencias de la Naturaleza no convergen a una perspectiva co-evolutiva o histórica-natural. Nuestro trabajo encuentra un horizonte posible, el principio educativo del trabajo, tanto para el proceso educativo y para el científico.

Palabras clave: Educación del Campo, Ciencias de la Naturaleza, Filosofía de la Ciencia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emilio Romanini Netto, Universidade Federal do Paraná - UFPR

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal do Paraná (2013). Atualmente é bolsista CAPES do Programa de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento da Universidade Federal do Paraná. Atua principalmente nos seguintes temas: agroecologia, educação do campo, movimentos sociais do campo, agricultura familiar e povos e comunidades tradicionais.

Referências

Arroyo, M. G. (2012). Formação de educadores do campo. In Caldart, R. S., Pereira, I. B., Alentejano, P., & Frigotto, G. (orgs.). Dicionário da Educação do Campo (pp. 359-365). Rio de Janeiro/São Paulo: EPSJV/Expressão Popular.

Caldart, R. S. (2008). Sobre educação do campo. In Santos, C. A. (Org.). Educação do Campo: Campo–Políticas Públicas – Educação (pp. 67-86). Brasília: INCRA/MDA/NEAD.

Caldart, R. S. (2010). Licenciatura em Educação do Campo e projeto formativo: qual o lugar da docência por área? In Caldart, R. S. (Org). Caminhos para a transformação da escola. Reflexões desde Práticas de Licenciatura em Educação do Campo (pp. 127-154). São Paulo: Expressão popular.

Engels, F. (1979). A dialética da natureza. São Paulo: Paz e Terra.

Engels, F. (2015). Anti-Dühring. São Paulo: Boitempo.

Foster, J. B. (2005). A ecologia de Marx: materialismo e natureza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Freitas, L. C. D. (2009). A luta por uma pedagogia do meio: revisitando o conceito. In Pistrak, M. M. (Org.). A escola-comuna (pp. 9-101). São Paulo: Expressão Popular.

Freitas, L. C. D. (2010). A escola única do trabalho: explorando os caminhos de sua construção. In Caldart, R. S. (Org.). Caminhos para a transformação da escola. Reflexões desde Práticas de Licenciatura em Educação do Campo (pp. 155-175). São Paulo: Expressão popular.

Giddens, A. (1996). A modernidade sob um signo negativo: questões ecológicas e política de vida. In Giddens, A. (Org.). Para além da esquerda e da direita: o futuro da política radical (pp. 224-258). São Paulo: Ed. Unesp.

Guhur, D. M. P., & Silva, I. M. D. S. (2010). Contribuições do diálogo de saberes à educação profissional em agroecologia no MST. In Anais do Seminário de Pesquisa do PPE (pp. 1-20). Maringá: UEM/DFE/DTP/PPE.

Instituto de Educação Josué de Castro [IEJC]. (2015). Seminário sobre ensino de Ciências da Natureza nas escolas do campo. In Caldart, R. S., Stedile, M. E., & Daros, D. (Orgs.). Caminhos para a transformação da escola 2: Agricultura camponesa, educação politécnica e escolas do campo (pp. 73-114). São Paulo: Expressão Popular.

Kolling, E. J., Nery, I., & Molina, M. C. (1999). Por uma educação básica do campo. Brasília: Fundação Universidade de Brasília.

Londero, R. R. (2014). A transdisciplinaridade ente os Estudos Culturais e as Ciências Agrárias e Naturais. In Silva, I. S., Souza, H., & Ribeiro, N. B. (Orgs.). Práticas contra-hegemônicas na formação de educadores: reflexões a partir do curso de Licenciatura em Educação do Campo do sul e sudeste do Pará (pp. 191-208). Brasília: NEAD.

Lopes, A. R. C. (1999). Conhecimento escolar: ciência e cotidiano. Rio de Janeiro: EdUERJ.

Löwy, M. (1987). As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen: marxismo e positivismo na sociologia do conhecimento. São Paulo: busca Vida.

Löwy, M. (2007). O marxismo na América Latina: uma antologia de 1909 aos dias atuais. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo.

Marx, K., & Engels, F. (2007). A ideologia Alemã. São Paulo: Boitempo.

Marx, K. (1983). O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural. 1, t. 1.

Marx, K. (1984) O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural. 1, t. 2.

Marx, K. (2004) Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo.

Ministério do Desenvolvimento Agrário. (2004). Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária PRONERA: Manual de Operações. Brasília: INCRA.

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. (1996). Princípios da educação no MST. Caderno de Educação, 8. São Paulo.

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. (1999). O que queremos com as escolas dos assentamentos. Caderno de Formação, 18. São Paulo.

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. (2005). Dossiê MST – Escola: Documentos e Estudos 1990-2001. Caderno de Educação, 13. Curitiba.

Moreno, G. S. (2014). Reflexões sobre a organização curricular em Ciências Agrárias e Naturais na Educação do Campo. In Silva, I. S., Souza, H., & Ribeiro, N. B. (Orgs.). Práticas contra-hegemônicas na formação de educadores: reflexões a partir do curso de Licenciatura em Educação do Campo do sul e sudeste do Pará (pp. 175-190). Brasília: NEAD.

Oliveira, M. E. B., & Gómez, J. R. M. (2014). A educação do campo no contexto do modelo de desenvolvimento rural no Brasil: o princípio educativo do trabalho como alternativa. Revista Pegada, 15(1).

Pistrak, M. M. (2009) A escola-comuna. São Paulo: Expressão Popular

Resolução Nº 2, de 30 de janeiro 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Recuperado de http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9864-rceb002-12&category_slug=janeiro-2012-pdf&Itemid=30192

Rodrigues, R. (2010). Reflexões sobre a organização curricular por área do conhecimento. In Caldart, R. S. (Org.). Caminhos para a transformação da escola: reflexões desde práticas da Licenciatura em Educação do Campo (pp. 101-128). São Paulo: Expressão Popular.

Rolo, M. (2015). A natureza como uma relação humana uma categoria histórica. In Caldart, R. S. Stedile, M. E., & Daros, D. (Orgs.). Caminhos para a transformação da escola: Agricultura camponesa, educação politécnica e escolas do campo (pp. 139-176). São Paulo: Expressão Popular

Romanini Netto, E. (2015). A Educação do Campo e Agroecologia à luz dos movimentos sociais populares do campo. Monografia (Especialização em Questão Agrária, Educação do Campo e Agroecologia na Amazônia). IALA Amazônico - Universidade Federal do Pará, Marabá.

Sapelli, M. L. S., Freitas, L. C., & Caldart, R. S. (Orgs.). (2015). Caminhos para a transformação da escola 3: organização do trabalho pedagógico nas escolas do campo. Ensaios sobre complexos de estudo. São Paulo: Expressão Popular.

Saviani, D. (2007). Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista brasileira de educação, 12(34), 152-165.

Publicado
2018-12-07
Como Citar
Romanini Netto, E. (2018). Ciências da Natureza e materialismo histórico-dialético: encontros e desencontros na formação de educadores do campo. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 3(3), 1009-1036. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2018v3n3p1009
Seção
Artigos / Articles / Artículos