Interfaces entre a Educação do Campo e o êxodo rural da juventude camponesa

Resumo

Durante as últimas décadas o campo vem perdendo expressivamente seu contingente populacional e, entre a juventude, essa desintegração torna-se mais agravante, pois compromete a implantação de um projeto socialmente justo para o campesinato brasileiro. Neste sentido, o presente estudo objetiva refletir sobre os valores e princípios da Educação do Campo frente ao desafio do êxodo da juventude camponesa. Ressaltamos que não podemos atribuir a responsabilidade de superação desta problemática às experiências educativas que se desenvolvem no campesinato, ainda que emancipadoras. Partimos do pressuposto de que a Educação do Campo contribuirá para restringir este fluxo migratório através dos valores e princípios que defendem e cuja materialização ocorre através de práticas educativas.  Resultante de pesquisa bibliográfica apoiada em estudos de Abramovay et al. (1998), Caldart (2015, 2004, 2002), Molina (2015), Galindo (2014) entre outros, a investigação indicou que o fenômeno do êxodo rural da juventude camponesa provém de inúmeros fatores, em que sobressai a ausência de políticas públicas abrangentes. Considerou-se, também, a imprescindível inclusão da diversidade e extensão do campesinato nas políticas educacionais, ressaltando a realidade objetiva das populações que criam e recriam este espaço como modo de vida.

Palavras-chave: Educação do Campo, Práticas Educativas, Êxodo Rural, Juventude Camponesa, Políticas Públicas.

 

Interfaces between Countryside Education and the rural youth peasant  exodus

ABSTRACT. During the past few decades, the countryside has significantly lost its population and, among youth, this disintegration has become even worse because it compromises the implantation of a socially fair project to Brazilian peasantry.  In this sense, this study aims at reflecting about the values and principles of Countryside Education faced with young peasants' exodus.  We highlight that we cannot deem educational experience that is developed among peasants responsible for solving this issue, even if these experiences are liberating.  We depart from the assumption that Countryside Education will contribute to restricting this migration flow through the values and principles it defends and whose realization takes place through educational practice.   Resulting from bibliographical research based on studies by Abramovay et al. (1998),  Caldart (2015, 2004, 2002), Molina (2015), Galindo (2014), among others, this investigation shows that the  phenomenon of rural youth peasant  exodus derives from a number of factors, among which the lack of comprehensive public policies.   We consider indispensible to broaden educational policies to the diversity and extension of peasantry, highlighting the objective reality of populations who create and recreate this space as a way of life.

Keywords: Countryside Education, Educational Practice, Rural Exodus, Peasant Youth, Public Policies.

 

Interfaces entre Educación del Campo y el éxodo rural de la juventud campesina

RESUMEN. Durante las últimas décadas el campo viene perdiendo expresivamente su contingente poblacional y, entre la juventud esa desintegración es más agravante, pues compromete la implementación de un proyecto socialmente justo para el campesinado brasileño. En este sentido, el presente estudio objetiva reflexionar sobre los valores y principios de la Educación del Campo frente al desafío del éxodo de la juventud campesina. Resaltamos que no podemos atribuir la responsabilidad de superación de esta problemática a las experiencias educativas desarrolladas en el campesinado, aunque emancipadoras. Partimos del supuesto de que la Educación del Campo contribuirá para restringir este flujo migratorio a través de los valores y principios que defienden y cuya materialización ocurre por las prácticas educativas. Resultante de la pesquisa bibliográfica apoyada en estudios de Abramovay et al. (1998), Caldart (2015, 2004, 2002), Molina (2015), Galindo (2014), entre otros, la investigación indicó que el fenómeno del éxodo rural de la juventud campesina proviene de innúmeros factores, destacando la ausencia de políticas públicas más amplias. Consideró, también, la imprescindible cobertura de las políticas educacionales a la diversidad y extensión del campesinado, resaltando la realidad objetiva de las poblaciones que crean e recrean este espacio como modo de vida.

Palabras clave: Educación del Campo, Prácticas Educativas,  Éxodo Rural, Juventud Campesina, Políticas Públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marizete Andrade da Silva, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG

Possui graduação em Química pela Universidade Federal do Espírito Santo (2013) e mestrado em Educação Agrícola pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (2016). Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

Abramovay, R., Silvestro, M., Cortina, N., Baldissera, T., Ferrari, L., & Testa, M. (1998). Juventude e agricultura familiar: desafios dos novos padrões sucessórios. Brasília, DF: Edições UNESCO.

Arroyo, M. G. (2015). Os Movimentos Sociais e a construção de outros currículos. Educar em Revista, (55), 47-68. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.39832

Brumer, A. (2004). Gênero e Agricultura: a situação da mulher na agricultura do Rio Grande do Sul. Estudos Feministas, 12(1), p. 205-227.

Bruno, R. (2012). Movimento Sou Agro: marketing, habitus e estratégias de poder do agronegócio. In 36 º Encontro Anual da ANPOCS. Fortaleza, CE.

Caldart, R. S. (2015). Sobre a especificidade da Educação do Campo e os desafios do momento atual. Porto Alegre, RS: Mimeo.

Caldart, R. S. (2002). Por Uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. In Arroyo, M. G. Caldart, R. S., & M. C. Molina, (Orgs.). Por uma educação do campo (pp. 148-158). Petrópolis, RJ: Vozes.

Caldart, R. S. (2004). Elementos para Construção do Projeto Político e Pedagógico da Educação do Campo. In Molina, M. C., & Jesus, S. (Orgs.). Contribuições para a construção de um Projeto de Educação do Campo, cadernos: Por uma Educação do Campo (pp. 10-31). Brasília, DF: Ministério do Desenvolvimento Agrário.

Carneiro, M. J., & Castro, E. G. (Orgs.). (2007). Juventude rural em perspectiva. Rio de Janeiro, RJ: Mauad X.

Castro, E. G. (2005). Entre Ficar e Sair: uma etnografia da construção social da categoria jovem rural. (Tese de Doutorado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Costa, A. Matos, R. E., & Valle, M. H. (2015). Análise dos processos de masculinização no meio rural dos municípios brasileiros segundo porte populacional e grau de modernização da agropecuária. Revista de Geografia Agrária, 21 (12), 271-292.

Cover, M., & Cerioli, P. C. (2015). Juventude Rural e os modelos de desenvolvimento. In Leão, G., & Antunes-Rocha, M. I. (Orgs.). Juventudes Camponesas (pp. 48-62). Belo Horizonte, MG: Editora Autêntica.

Fernandes, B. M. (2008). Entrando nos territórios do Território. In Paulino, E. T., & Fabrini, J. E. (Orgs.). Campesinato e territórios em disputa (pp. 273-301). São Paulo, SP: Expressão Popular.

Food and Agriculture Organization of the United Nation. (2012). Agricultura y Desarollo Rural: manual sobre Género en Agricultura. Roma: Recuperado em 12 de janeiro de 2017, de http://www.fao.org/3/a-aj288s.pdf

Galindo, E. (2014). Em Pauta: Juventude rural e políticas públicas. In Menezes, M., Stropasolas, V., & L. Barcellos, S. B. (Orgs.). Juventude rural e políticas públicas no Brasil (pp. 122-144). Brasília, DF: Presidência da República.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Sinopse do Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro, RJ: Recuperado em 03 de janeiro de 2017, de http://www.ibge.gov.br

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2006). Censo Agropecuário. Rio de Janeiro: Recuperado em 03 de janeiro de 2017, de http://www.ibge.gov.br

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. (2014). Censo Escolar. Brasilía: DF: Recuperado em 03 de janeiro de 2017, de www.portal.inep.gov.br.

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996, 23 de dezembro). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Recuperado de: http://www.senado.gov.br/sf/legislacao

Linhares, M. Y., & Silva, F. C. (1999). Terra prometida: uma história da questão agrária no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Campus.

Maia, A. G., & Sakamoto, C. S. (2014). A nova configuração do mercado de trabalho agrícola brasileiro. In Buainain, A. M. (Org.). O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola (pp. 621-652). Brasília, DF: Embrapa.

Marx, K. (1983). O Capital: Crítica da Economia Política. Tradução de Régis Barbosa e Flávio R. Kothe. São Paulo, SP: Abril Cultural.

Menezes, M. A. (2007). Entre o bagaço da cana e a doçura do mel: migrações e identidades da juventude rural. In Carneiro, M. J., & Castro, E. G. (Orgs.). Juventude rural em perspectiva (pp. 167- 183). Rio de Janeiro, RJ: Mauad X.

Molina, M. C. (2015). A educação do campo e o enfrentamento das tendências das atuais políticas públicas. Educação em Perspectiva, 6(2), 378-400. DOI: https://doi.org/10.22294/eduper/ppge/ufv.v6i2.665

Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. (2013). Sobre os nossos desafios e as linhas políticas de atuação do MST. In Cartilha do IV congresso. São Paulo, SP.

Oliveira, L. T. (2015). Educação do Campo e as lutas dos movimentos sociais pelos direitos às políticas públicas. Revista Retta, 3(11), 35-2.

Stropassolas, V. L. (2002). O Mundo Rural no Horizonte dos Jovens. (Tese de Doutorado). Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina.

Wanderley, M. B. (2007). Jovens rurais de pequenos municípios de Pernambuco: que sonhos para o futuro. In Carneiro, M. J., & Castro, E. G. (Orgs.). Juventude rural em perspectiva. (pp. 35-62). Rio de Janeiro, RJ: Maud X.

Weisheimer, N. (2007). Socialização e projetos de jovens agricultores familiares. In Carneiro, M. J., & Castro, E. G. (Orgs.). Juventude rural em perspectiva (pp. 237-252). Rio de Janeiro, RJ: Mauad X.

Publicado
2018-12-07
Como Citar
da Silva, M. (2018). Interfaces entre a Educação do Campo e o êxodo rural da juventude camponesa. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 3(3), 970-990. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2018v3n3p970
Seção
Artigos / Articles / Artículos