Escola do campo: uma visão dos jovens sobre as aulas de Biologia de uma comunidade rural no município de Cunha/SP

  • Juliana Souza de Oliveira Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ
  • Tatiana Souza de Camargo Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
  • Ramofly Bicalho dos Santos Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ http://orcid.org/0000-0003-0571-6481
Palavras-chave: Saberes do Campo, Escolas do campo, Escolas do Campo, Agroecologia, Cunha

Resumo

O objetivo deste trabalho é buscar compreender, através do olhar dos jovens filhos de agricultores familiares agroecológicos, as relações (in)existentes entre as aulas de Biologia de escolas localizadas em zona rural do município de Cunha/SP e os assuntos cotidianos dos alunos e suas famílias. Para isso, utilizamos entrevistas orais semiestruturadas, onde os entrevistados, dois jovens do ensino médio e um do nono ano do ensino fundamental, responderam a perguntas guias e também contam um pouco do dia-a-dia na escola, principalmente nas aulas de Biologia. A fim de entender o contexto em que esses alunos estão inseridos, dois familiares também foram entrevistados, motivados a falar a respeito de seu trabalho e o cotidiano junto a seus filhos. Os pais fazem parte de um grupo de agricultores agroecológicos que ganharam força em Cunha, graças a iniciativa da OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público) SerrAcima com a parceria da Petrobrás. Com os dados coletados das entrevistas pudemos observar que, apesar do estudante do campo vivenciar muito de perto a produção orgânica de alimentos, através do dia-a-dia com os seus pais, eles ainda têm dificuldades de enxergar oportunidades de crescimento profissional no campo e estas questões aparentam ter pouco espaço de debate em sala de aula. Essas análises corroboram a nossa percepção da importância política do desenvolvimento de ações em Educação do Campo, que busquem, ao mesmo tempo, valorizar o mundo rural como espaço de vida e que promovam o desenvolvimento sustentável nesses espaços, como uma forma estratégica de enfrentar a progressiva migração dos jovens para atividades externas à agricultura.

Palavras-chave: Saberes do Campo, Escolas do Campo, Agroecologia, Cunha.

 

School Rural: a vision of young people about the Biology of a rural community in the municipality of Cunha/SP

ABSTRACT. The objective of this study is to see through the eyes of young people the biology classes in schools located in rural municipality of Cunha / SP and how they relate to the everyday concerns of students, children of agroecological farmers; using oral interviews where respondents, two young high school and ninth grade of elementary, answered questions and guides also have some of the day-to-day at school mainly in biology classes. In order to understand the context in which these students are inserted, two family members were also interviewed about their work and daily life with his children. Parents are part of a group of agroecological farmers gained strength in Cunha thanks to the initiative of OSCIP (civil society organization of public interest) SerrAcima a partnership with Petrobrás. With the data collected from interviews I observed that although the student rural experience, through their parents, as organic farmers still have difficulties to see professional growth opportunities in the rural and these issues seem to have no time to classroom debate. These analyzes confirm our perception of the political importance of developing actions in the Countryside Education, seeking at the same time enhance the rural world as a living space and to promote sustainable development in these areas, as a strategic way to face progressive migration of young people to outdoor activities to agriculture.

Keywords: Knowledge of the Countryside, Counstryside Schools, Agroecology, Cunha.

 

Escuelas de campo: una visión de los jóvenes sobre la Biología de una comunidad rural en el municipio de Cunha/SP

RESUMEN. El objetivo de este estudio es ver a través de los ojos de los jóvenes de las clases de biología en escuelas del municipio rural de Cunha / SP y cómo se relacionan con las preocupaciones cotidianas de los estudiantes, hijos de agricultores agroecológicos; a través de entrevistas orales donde los encuestados, dos jóvenes de secundaria y noveno grado de básica, respondieron preguntas y guías también tienen algunas de las del día a día en la escuela, principalmente en las clases de biología. Con el fin de comprender el contexto en el que se insertan estos estudiantes, dos miembros de la familia también fueron entrevistados acerca de su trabajo y la vida diaria con sus hijos. Los padres son parte de un grupo de agricultores agroecológicos ganaron fuerza en Cunha gracias a la iniciativa de OSCIP (organización de la sociedad civil de interés público) SerrAcima una asociación con Petrobrás. Con los datos obtenidos de entrevistas que observaron que, si bien el estudiante la experiencia de campo, a través de sus padres, ya que los agricultores orgánicos siguen teniendo dificultades para ver las oportunidades de crecimiento profesional en el campo y estos temas parecen tener poco espacio para el debate en el aula. Estos análisis confirman nuestra percepción de la importancia política de las acciones de desarrollo en el campo de la educación, buscando al mismo tiempo mejorar el mundo rural como un espacio de vida y promover el desarrollo sostenible en estas áreas, como una forma estratégica para hacer frente progresiva la migración de los jóvenes a las actividades al aire libre a la agricultura.

Palabras-clave: El Conocimiento de Campo, Las Escuelas de Campo, Agroecología, Cunha.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Souza de Oliveira, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ

Bióloga pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Tatiana Souza de Camargo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS

Professora do Departamento de Ensino e Currículo, da Faculdade de Educação, da UFRGS. É Vice-Coordenadora da Licenciatura em Educação do Campo - Ciências da Natureza, no qual também desenvolve atividades de ensino. Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Campinas (2003). Tem experiência na área de Educação, com pesquisa relacionada a ambiente e cultura nos currículos universitários. É Mestre em Educação em Ciências, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008), com a dissertação "Você é o que você come? Os cuidados com a alimentação: implicações na constituição dos corpos". É Doutora em Educação, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2012), com a tese "O governo dos excessos: Uma análise das práticas de prevenção e controle do excesso de peso realizadas por profissionais da Atenção Básica à Saúde, em Porto Alegre/ RS". Em 2014, finalizou seu estágio de Pós-Doutoramento no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática, da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, no qual fez parte do projeto de pesquisa "Inovação e Interdisciplinaridade na Educação em Ciências e Matemática no século XXI", (PNPD/CAPES). Nos últimos anos, têm desenvolvido pesquisas etnográficas na área de Estudos Culturais da Ciência e Educação, com ênfase nos temas relacionados a produção social do Corpo, Educação do Campo, Estudos em Ciência, Tecnologia e Sociedade, Educação em Ciências, Educação em Saúde e políticas de promoção de saúde.

Ramofly Bicalho dos Santos, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ

Graduação em História: bacharelado e licenciatura pela Universidade Federal Fluminense, ano de 1999. Licenciatura em Pedagogia pela UERJ / CEDERJ, ano de 2011. Especialização em educação: formação do educador de jovens e adultos trabalhadores, na UFF, ano de 2001. O mestrado em educação, também pela Universidade Federal Fluminense, concluído em 2003, deu origem ao livro: Alfabetização no MST: experiências com jovens e adultos na Baixada Fluminense. Conclui o doutorado em educação na UNICAMP no ano de 2007, publicando o livro: O projeto político-pedagógico do movimento dos trabalhadores rurais sem terra: trajetória de educadores e lideranças. Fui professor do curso de História, Pedagogia e Serviço Social na UniAbeu e Universidade Iguaçu. Atualmente sou professor adjunto IV na UFRRJ - Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Instituto de Educação, Departamento de Educação do Campo, Movimentos Sociais e Diversidade - DECAMPD. Pós-Doutorando em Educação na Universidade Federal Fluminense ? UFF. Título do Projeto: História da Educação do Campo e os Movimentos Sociais no Brasil: as ações do PROCAMPO na formação de educadores. Leciono as seguintes disciplinas: Educação de Jovens e Adultos e Educação Popular; Ensino de História; Educação do campo; Educação e Movimentos Sociais. Sou professor do quadro permanente do Programa de Pós Graduação em Educação Agrícola - PPGEA na UFRRJ.

Referências

Agrária-PRONERA: relatório geral avaliação externa do programa.

Altieri, M. A. (2002). Agroecología: principios y estrategias para diseñar sistemas agrarios sustentables. In Sarandon, S. J. Agroecología: el camino hacia una agricultura sustentable. Buenos Aires – La Plata.

Andrade, M. R., & Di Pierro, M. C. (2004). Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária.

Arroyo, M. G., & Ba, F. (1999). A educação básica e o movimento social do campo. Coordenação da Articulação Nacional por uma Educação Básica do Campo.

Arroyo, M. G., Caldart, R. S., & Molina, M. C. (2004). Por uma educação do campo. Petrópolis: Vozes.

Brasil. (2014). Censo Escolar 2014. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/basica-censo. Acesso em: maio 2016.

Brasil. (2016). Constituições Federais. Disponível em: . Acesso em: maio 2016.

Caldart, R. S., & Benjamin, C. (2000). Projeto popular e Escolas do Campo. Brasília, DF: Articulação Nacional por uma Educação Básica do Campo.

De Souza, M. A. (2008). Educação do campo: políticas, práticas pedagógicas e produção científica.

Dos Santos, R. B. (2011). A educação do campo e o ensino de história: possibilidades de formação. PerCursos, 12(1), 183-191.

Dos Santos, R. B. (2011). Avanços e possibilidades da educação do campo no Brasil. Recôncavo: Revista de História da UNIABEU, 1(1), 100-115.

Dos Santos, R. B., & Bueno, M. C. (2013). Educação do Campo e Pedagogia da Alternância na formação do professor. Recôncavo: Revista de História da UNIABEU, 3(4), 125-140.

Ferreira, M. D. M., Fernandes, T. M., & Alberti, V. (2000). História oral: desafios para o século XXI. Editora Fiocruz.

Freire, P. (2014). Extensão ou comunicação? Editora Paz e Terra.

Gaviria, M. R., & Menasche, R. (2006). A juventude rural no desenvolvimento territorial: análise da posição e papel dos jovens no processo de transformação do campo. Estudo & Debate, 13(1), 69-82.

Jesus, V. C. P. (2008). A Educação No Campo Na História Educacional Brasileira: Alguns Apontamentos.

Koling, E. J., & Molina, M. C. (1999). Por uma Educação Básica do Campo. (1). Brasília, DF. Articulação Nacional Por uma Educação Básica do Campo.

Leite, S. C. (1999). Escola rural: urbanização e políticas educacionais. Cortez Editora.

Martins, F. J. (2008). Educação do Campo: processo de ocupação social e escolar. In Proceedings of the 2nd II Congresso Internacional de Pedagogia Social.

Mion, R. A., & Jesus, V. C. P. D. (2006). Proposta para educação no campo e demandas dos trabalhadores.

Miranda, A. C. O dilema da Rio +20. (2012). CienSaude Colet; 17(2), 284.

Molina, M. C., & Jesus, S. M. S. A. D. (2004). Contribuições para a construção de um projeto de educação do campo. Brasília, DF: Articulação Nacional Por uma Educação do Campo.

Peres, P. C., & Wizniewsky, C. R. F. (2009). A Escola E Seu Papel Na Formação Dos Sujeitos Do Campo: O Caso Da Escola Municipal De Ensino Fundamental Bernardino Fernandes. Distrito Pains, Santa Maria, RS.

Petersen, P., & Silveira, L. (2007). Construção do conhecimento agroecológico em redes de agricultores-experimentadores: a experiência de assessoria ao Pólo Sindical da Borborema. Construção do Conhecimento.

Portal de Cunha. http://www.portaldecunha.com.br/. Acesso em MAI 2016.

Pronera. (2015). Cartilha PRONERA Já: Pela Implementação imediata do Programa Nacional de Redução de Agrotóxicos. Rio de Janeiro.

Secadi/MEC. (2007). Educação do Campo: diferenças mudando paradigmas. Cadernos SECADI. Brasília.

Secretaria da Educação de Cunha. http://www.cunha.sp.gov.br/educacao/. Acesso em: dezembro 2015.

SerrAcima. http://www.serracima.org.br/. Acesso em: maio 2016.

Soares, A. M. D., & Oliveira, L. D. (2005). Ensino técnico agropecuário: “novas” perspectivas ou uma velha receita. Identidades sociais. Ruralidades no Brasil Contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A/Nead.

Wanderley, M. N. (2016). Meio Rural: um lugar de vida e trabalho. Disponível em: <http://sistemas.mda.gov.br/condraf/arquivos/2169821555.pdf>. Acesso em: junho 2016.

Zótis, T. S. (2011). Causas e consequências da evasão de jovens da comunidade rural de São Vitor, município de Camargo/RS.

Silva, J. B. (2012). Crianças assentadas e educação infantil no/do campo: contextos e significações (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo.

Publicado
2016-12-13
Como Citar
Oliveira, J., Camargo, T., & Santos, R. (2016). Escola do campo: uma visão dos jovens sobre as aulas de Biologia de uma comunidade rural no município de Cunha/SP. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 1(2), 344-363. https://doi.org/10.20873/uft.2525-4863.2016v1n2p344
Seção
Artigos / Articles / Artículos