Representações sociais sobre o processo formativo de professores do campo e da EJA no Brasil: a realidade na Amazônia Paraense

  • Alessandra Sampaio Cunha Instituto Federal do Pará - IFPA
  • Armando Paulo Ferreira Loureiro Universidade de Trás-os-Montes e Alto douro, Portugal
  • Joana d'Arc de Vasconcelos Neves Universidade Federal do Pará - UFPA

Resumo

O presente artigo articula o debate da formação inicial de professores  do campo, da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e dos processos psicossociais que orientam a formação de professores  para/nas escolas do campo. Para tanto, envereda-se no campo teórico das Representações Sociais (RS) no intuito de analisar os sentidos e os signficados de professores que concluíram o Curso de Licenciatura em Educação do Campo sobre a contribuição do seu processo formativo para atuarem na EJA/campo na Amazônia Paraense. Trata-se de um estudo qualitativo do tipo exploratório/explicativo que utilizou o questionário e a entrevista semiestruturada para recolha dos dados. Os resultados deste estudo apontam que as Representações Sociais dos professores sobre o curso de Licenciatura em Educação do Campo inscrevem-se em significados que reafirmam que a formação específica, voltada às necessidades dos povos do campo, contribuíu com conhecimentos e processos de ensino-aprendizagem que potencializaram (re)pensar e inovar as práticas pedagógicas. Os professores do campo veem ainda o curso como espaço de produção de conhecimento diferenciado de ser e fazer-se professor da EJA no campo, na medida em que ajudam a compreender a dinâmica social e política do modo de vida campesina nos campos amazônicos brasileiros.

Palavras-chave: educação do campo, formação de professores, representações sociais.

 

Social representations about the formative process of Brazil's rural areas' teachers and EJA (Young Adults and Adults' Education): the reality of the Paraense Amazon                  

ABSTRACT. This article articulates the debate on the initial training of rural teachers, Youth and Adult Education (EJA) and the psychosocial processes that guide the training of teachers to / in rural schools. To this end, it embarks on the theoretical field of Social Representations (RS) in order to analyze the senses and meanings of teachers who completed the Degree Course in Rural Education under the contribution of their training process to work in the EJA / countryside in the Amazon Paraense. This is a qualitative study of the exploratory / explanatory type that used the questionnaire and the semi-structured interview to collect the data. The results of this study indicate that the Social Representations of the teachers about the Degree in Rural Education are enrolled in meanings that reaffirm that specific training, geared to the needs of rural people, contributed with knowledge and teaching-learning processes that potentialized (re) thinking and innovating pedagogical practices. The rural teachers also see the course as a space for the production of differentiated knowledge of being and becoming a teacher of EJA in the field, insofar as they help to understand the social and political dynamics of the peasant way of life in the Brazilian Amazonian rural areas.

Keywords: rural education, teacher training, social representations.

 

Representaciones sociales sobre el proceso formativo de maestros en el campo y EJA en Brasil: la realidad en el Paraense Amazon

RESUMEN. Este artículo articula el debate sobre la formación inicial de docentes rurales, Educación de Jóvenes y Adultos (EJA) y los procesos psicosociales que orientan la formación de docentes hacia / en las escuelas rurales. Para ello, se embarca en el campo teórico de las Representaciones Sociales (RS) con el fin de analizar los significados y significados de los docentes que cursaron la Licenciatura en Educación Rural sobre el aporte de su proceso formativo para trabajar en el campo EJA / en el Paraense Amazon. Se trata de un estudio cualitativo del tipo exploratorio / explicativo que utilizó el cuestionario y la entrevista semiestructurada para recolectar los datos. Los resultados de este estudio indican que las Representaciones Sociales de los docentes sobre la Licenciatura en Educación Rural se inscriben en significados que reafirman que la formación específica, orientada a las necesidades de la población rural, aportó conocimientos y procesos de enseñanza-aprendizaje que potencializaron (re) pensar. y prácticas pedagógicas innovadoras. Los docentes rurales también ven el curso como un espacio para la producción de conocimientos diferenciados de ser y convertirse en docente de EJA en el campo, en la medida en que ayudan a comprender la dinámica social y política del modo de vida campesino en los campos amazónicos brasileños.

Palabras clave: educación rural, formación de profesores, representaciones sociales.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Sampaio Cunha, Instituto Federal do Pará - IFPA

Doutora em Ciências da Educação pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, em Portugal. Técnica em Assuntos Educacionais (TAE) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará / Campus Bragança. Professora/Pesquisadora do Programa de Formação Continuada - PARFOR. Pesquisadora em Educação (ETTHOS)/ IFPA, Cátedra Paulo Freire da Amazônia e da Educação de Jovens e Adultos e Diversidade na Amazônia (GUEAJA/UFPA).

Armando Paulo Ferreira Loureiro, Universidade de Trás-os-Montes e Alto douro, Portugal

Armando Loureiro é doutorado em Ciências da Educação pela Universidade de Trás-os- Montes e Alto Douro, onde é Professor Associado. É membro integrado do Centro de Investigação e Intervenção Educativas, da Universidade do Porto. As suas principais áreas de investigação são a educação e formação de adultos e a sociologia da educação, no âmbito das quais tem diversas publicações e participações em projetos de investigação.

Joana d'Arc de Vasconcelos Neves, Universidade Federal do Pará - UFPA

Doutora e Mestre em Educação pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Professora Programa de Pós-Graduação em Linguagens e Saberes na Amazônia (PPLSA) Universidade Federal do Pará, Campus Universitário de Bragança. Pesquisadora Educação nos Territórios Rurais, saberes tradicionais e diversidade na Amazônia e da Cátedra Paulo Freire da Amazônia e Vice Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisa Educação de jovens e Adultos na Diversidade Amazônica (GUEAJA/UFPA)

Referências

Amaral, A. L. (2002). A Adjetivação do Professor: uma identidade perdida? In Veiga, I. P. A., & Amaral, A. L. (Org.). Formação de professores: políticas e debates (pp. 65-91). Campinas: Papirus.

André, M. E. D. (2007). Desafios da pós-graduação e da pesquisa sobre formação de professores. Educação & Linguagem, 15(1), 43-59. https://doi.org/10.15603/2176-1043/el.v10n15p43-59

Antunes-Rocha, M. I. (2009). Antunes-Rocha, M. I. Licenciatura em educação do campo: histórico e projeto político-pedagógico. In Antunes-Rocha, I., & Martins, A. A. (Orgs.). Educação do campo: desafios para a formação de professores (pp. 19-25). Belo Horizonte: Autêntica. (Coleção Caminhos da Educação do campo; 1.

Antunes-Rocha, M. I. (2010). Desafios e Perspectivas na Formação de Educadores: reflexões a partir do curso de licenciatura em Educação do campo desenvolvido na FAE/UFMG. In Soares, L. (et al.). Convergências e tensões no campo da formação e trabalho docente. Conteúdo: Educação de pessoas com deficiência, altas habilidades e condutas típicas – Educação do campo – Educação, gênero e sexualidade – educação indígena – Relações raciais e educação (pp. 389-406). Belo Horizonte: Autêntica.

Anuário Brasileiro da Educação Básica (2014). São Paulo: Editora Moderna. Recuperado de http://www.todospelaeducacao.org.br/1493/anuario-brasileiro-da-educacao-basica-2014/

Arroyo, M. G. (2007). Indagações sobre currículo: educandos e educadores: seus direitos e o currículo. In Beauchamp, J., Pagel, S. D., & Nascimento, A. R. (Orgs.). Sobre Currículo: Diversidade e Currículo (pp. 17-52). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica.

Arroyo, M. G. (2010). Políticas educacionais e desigualdades: a procura de novos significados. Educação e Sociedade, 31(113), 1341-1416. https://doi.org/10.1590/S0101-73302010000400017

Bardin, L. (2015). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Breakwell, G. M. (1993). Integrating paradigms, methodological implications. In Breakwell, G. M., & Canter, D. V. (Eds.). Empirical approaches to social representations (pp. 180-201). Oxford: Clarendon Press.

Caldart, R. S. (2002). (Org.). Educação do Campo: Identidade e Políticas Públicas. – Brasília, DF: Articulação Nacional por uma Educação do Campo. Coleção Por uma Educação do Campo, nº 4.

Caldart, R. S. (2004). Por Uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. In Arroyo, M. G., Caldart; R. S., & Molina, M. C. (Orgs.). Por uma educação do campo (pp. 26-30). Petrópolis, RJ: Vozes.

Caldart, R. S. (2005). Por uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. In Kolling, E. J. et al (Orgs.). Educação do campo: identidades e políticas públicas (pp. 18-25). Brasília: Art. Nacional Por uma Educação do Campo,

Declaração de Hamburgo: agenda para o futuro. (1997). Brasília: SESI/ UNESCO.

Diniz-Pereira, J. E. (2006). Estudos e pesquisas sobre formação de educadores de jovens e adultos: análise dos trabalhos e pôsteres aprovados pela ANPEd (2000-2005). In Soares, L. (Org.). Formação de educadores de jovens e adultos (pp. 187-201). São Paulo: Autêntica.

Diniz-Pereira, J. E. (2013). A construção do campo da pesquisa sobre formação de professores. Revista da FAEEBA-Educação e Contemporaneidade, 22(40), 145-154. https://doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n40.p145-154

Freire, P. (1983). Extensão ou comunicação? Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática docente. São Paulo: Paz e Terra.

Freire, P. (2000). Pedagogia da indignação: cartas pedagógicas e outros escritos. São Paulo: Unesp.

Freire, P. (2004). Pedagogia do Oprimido. 38.ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Jodelet, D. (1989). Folie et representations sociales. Paris: PUF.

Jodelet, D. (2001). As representações sociais. Rio de Janeiro: Verj.

Jodelet, D. (2005). Loucuras e representações sociais. Petrópolis: Vozes.

Jodelet, D. (2009). O Movimento de retorno ao sujeito e a abordagem das Representações Sociais. Sociedade e Estado, 24(3), 679-712. https://doi.org/10.1590/S0102-69922009000300004

Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. (1996, 23 de dezembro). Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Recuperado de http://www.senado.gov.br/sf/legislacao

Molina, M. C. (2010). Reflexões sobre o significado do protagonismo dos Movimentos Sociais na construção de Políticas Públicas de Educação do Campo. In Molina, M. C. (Org.). Educação do Campo e Pesquisa: questões para reflexão II (pp. 137). Brasília: MDA/MEC.

Moscovici, S. (1986). Psicologia Social, II. Pensamiento y vida social. Psicología social y problemas sociales. Barcelona: Paidos.

Moscovici, S. (2009). Representações sociais: investigações em psicologia social (6a ed.). Petrópolis: Vozes.

Moscovici, S. (1984). Le domaine de la psychologie sociale. In Moscovici, S. (Ed.). La psychologie sociale (pp. 20). Paris: PUF.

Moscovici, S. (1978). A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Neves, J. D. (2007). Projetos vividos representações construídas: as representações sociais que mulheres e homens do assentamento CIDAPAR possuem sobre os saberes que buscam na escola para os seus projetos de vida (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Pará, Pará.

Neves, J. D., & Brasileiro, T. S. A. (2020). Territorialidades Amazônicas: sentidos e produção de conhecimentos e os desafios da formação de professores no contexto atual. Revista Humanidades e Inovações,

(15), 20-31.

Pimenta, S. G. (2011). Panorama atual da Didática no quadro das Ciências da Educação: Educação, Pedagogia e Didática. In Pimenta, S. G., Mazzoti, T. B., & Nóvoa, A. (Orgs.). Pedagogia, ciências da educação? (6a ed.) (p. 65). São Paulo: Cortez.

Plano Nacional de Educação 2014-2024. (2014). Brasília: Câmera dos Deputados. Recuperado de http://www.observatoriodopne.org.br/uploads/reference/file/439/documento-referencia.pdf

Relatório de Gestão da Diretoria de Formação de Professores da Educação Básica. (2013). Brasília: MEC/ CAPES.

Resolução CNE/CEB nº 1 (2000, 5 de julho). Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação e Jovens e Adultos, 2000. Brasília, DF: Presidência da República.

Resolução CNE/CNB nº 2 (2008, 28 de abril). Institui Diretrizes Complementares para o atendimento da Educação Básica do Campo, 2008. Brasília, DF: Presidência da República.

Resolução nº 01 (2002, 3 de abril). Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo. Brasília, 2002. Brasília, DF: Presidência da República.

Romanowski, J. P. (2013). Licenciaturas no Brasil: um balanço das teses e dissertações. São Paulo: USP.

Tedesco, J. C. (2004). Igualdad de opostunidades y política educativa. Cadernos de Pesquisa, 34(123), 555-572. https://doi.org/10.1590/S0100-15742004000300003

Publicado
2021-07-12
Como Citar
Sampaio Cunha, A., Ferreira Loureiro, A. P., & de Vasconcelos Neves, J. d’Arc. (2021). Representações sociais sobre o processo formativo de professores do campo e da EJA no Brasil: a realidade na Amazônia Paraense. Revista Brasileira De Educação Do Campo, 6, e11819. https://doi.org/10.20873/uft.rbec.e11819
Seção
Dossiê Temático: Educación en contextos rurales y la Psicología Rural