Respostas agudas e tardias da creatina quinase após duas configurações distintas de treinamento resistido

  • Lucas Dantas Maia Forte
  • Renan Ramalho Paiva
  • Claudio Luiz de Souza Meireles
Palavras-chave: Treinamento de Resistência, Creatina Quinase, dano muscular

Resumo

 

Resumo

O presente estudo investigou o efeito de duas sessões de treinamento resistido (hipertrofia vs resistência) sobre os níveis de dano muscular 24 e 48hs pós-exercício. Seis homens jovens foram submetidos a dois protocolos de TR para o corpo inteiro, sendo um protocolo de treinamento resistido para hipertrofia (TRH; 75%1-RM, 8-12 repetições) e um protocolo de treinamento resistido para resistência (TRR; 15%1-RM, 50-60 repetições). Foram encontradas diferenças estatisticamente significativas (p<0,05) nas concentrações sanguíneas de CK entre os valores de pré- e 24hs pós-exercício no TRH. Não houve diferenças entre os grupos ou entre os resultados dos diferentes momentos de coleta em TRR. Conclui-se que o protocolo de TRH induz a um aumento estatisticamente significativo na expressão de CK 24hs após sua aplicação e que essa expressão não se mantém elevada 48hs a utilização desse protocolo. Finalmente, o protocolo de TRR não demonstrou diferenças concentrações sanguíneas de CK.

Palavras – chave: Treinamento de Resistência. Creatina Quinase. Dano Muscular.

Referências

1. Kraemer WJ, Ratamess NA, French DN. Resistance training for health and performance. Current sports medicine reports. 2002.
2. Fleck , SJ; Kraemer W. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular. 2o ed Porto Alegre Artmed. 1999;
3. American College of Sports Medicine. American College of Sports Medicine position stand. Progression models in resistance training for healthy adults. Med Sci Sports Exerc. 2009;
4. Schoenfeld BJ. The mechanisms of muscle hypertrophy and their application to resistance training. Journal of Strength and Conditioning Research. 2010.
5. Brancaccio P, Maffulli N, Limongelli FM. Creatine kinase monitoring in sport medicine. Br Med Bull. 2007;81–82(1):209–30.
6. de Araujo GG, Gobatto CA, Hirata RDC, Hirata MH, Cavaglieri CR, Verlengia R. Respostas fisiológicas para detectar o overtraining. Rev da Educ Física. 2008;19(2):275–89.
7. Mougios V. Reference intervals for serum creatine kinase in athletes. Br J Sports Med. 2007;
8. Neto JC, Cedin L, Dato CC, Perez SA, Baldissera V. A Single Session of Testing for One Repetition Maximum (1RM) with Eight Exercises is Trustworthy José. J Exerc Physiol. 2015;18(3):74–80.
9. Carlos de Oliveira J, Baldissera V, Gustavo Simões H, Paula de Aguiar A, Henrique Silva Marques de Azevedo P, Aparecida Franco de Oliveira Poian P, et al. Identificação do limiar de lactato e limiar glicêmico em exercícios resistidos ARTIGO ORIGINAL. Rev Bras Med Esporte [Internet]. 2006;12(6):333–8. Available from: http://www.scielo.br/pdf/%0D/rbme/v12n6/a07v12n6.pdf
10. Brancaccio P, Maffulli N, Buonauro R, Limongelli FM. Serum Enzyme Monitoring in Sports Medicine. Clinics in Sports Medicine. 2008.
11. Clarkson PM, Hubal MJ. Exercise-induced muscle damage in humans. In: American Journal of Physical Medicine and Rehabilitation. 2002.
12. Carmona G, Guerrero M, Cussó R, Padullés JM, Moras G, Lloret M, et al. Muscle enzyme and fiber type-specific sarcomere protein increases in serum after inertial concentric-eccentric exercise. Scand J Med Sci Sport. 2015;
13. Noakes TD. Effect of Exercise on Serum Enzyme Activities in Humans. Sports Medicine: An International Journal of Applied Medicine and Science in Sport and Exercise. 1987.
14. Uchida MC, Nosaka K, Ugrinowitsch C, Yamashita A, Martins E, Moriscot A, et al. Effect of bench press exercise intensity on muscle soreness and inflammatory mediators. J Sports Sci. 2009.
Publicado
2020-05-06
Como Citar
Maia Forte, L. D., Paiva, R. R., & de Souza Meireles, C. L. (2020). Respostas agudas e tardias da creatina quinase após duas configurações distintas de treinamento resistido. Arquivos Brasileiros De Educação Física, 3(1), 15 - 21. https://doi.org/10.20873/abef.2595-0096.v2n2p1621.2020