Efeito agudo de exercício aeróbio intervalado de moderada intensidade nas funções cognitivas em idosas depressivas

  • Kamilla Feitosa Pereira de Souza Departamento de Educação Física/Universidade Federal de Pernambuco - Grupo de Pesquisa em Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida.
  • Carla Menêses Hardman Universidade Federal de Pernambuco
  • Rebeka Vila Nova Gomes Escola Superior de Educação Física/Universidade de Pernambuco.
  • Otávio Rodrigues Departamento de Educação Física/Universidade Federal de Pernambuco - Grupo de Pesquisa em Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida.
  • Daniela Karina da Silva Ferreira Departamento de Educação Física/Universidade Federal de Pernambuco - Grupo de Pesquisa em Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida.
  • André dos Santos Costa Departamento de Educação Física/Universidade Federal de Pernambuco - Grupo de Pesquisa em Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida.
  • Marisa Moreira Braga Departamento de Educação Física/Universidade Federal de Pernambuco - Grupo de Pesquisa em Atividade Física, Saúde e Qualidade de Vida.
Palavras-chave: Exercício, Cognição, Idoso

Resumo

O objetivo do estudo foi verificar o efeito agudo de exercício aeróbio intervalado de moderada intensidade nas funções cognitivas em idosas depressivas. Trata-se de um estudo pré-experimental conduzido com nove idosas depressivas. O treino foi constituído por 20 min. de atividades de coordenação motora, 30 min. de treinamento aeróbio intervalado e 10 min. de alongamentos. As funções cognitivas avaliadas foram: controle inibitório (Stroop Test); linguagem (fluência verbal) e capacidade de realizar ao mesmo tempo estímulos motor e cognitivo (dupla tarefa). Foram empregados teste t e tamanho de efeito (TE). Verificou-se uma redução estatisticamente significativa no tempo médio despendido nos testes de Stroop 1 (18,93±4,14 x 14,82±2,17; 0,016; TE=1,30), Stroop 2 (22,38±5,23 x 17,94±3,03; 0,016; TE=1,08), Stroop 3 (33,05±6,82 x 27,05±5,38; 0,011; TE=0,98) e tarefa cognitiva (15,05±4,17 x 11,71±3,71; 0,029; TE=0,85). O exercício físico teve um efeito agudo no controle inibitório e no desempenho na dupla tarefa cognitiva em idosas depressivas.

Referências

1. World Health Organization (WHO). Depression. [Internet]. Geneva: WHO, 2018; [citado em 2019 set 17]. Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/depression.
2. Oliveira DG, Fortes LS, Evangelista WLS, Scoss DM. Os benefícios da atividade física para indivíduos portadores de depressão. UniÍtalo em Pesquisa 2016:6(2): 90-110.
3. Fonseca AA, Coutinho MPL, Azevedo RLW. Representações sociais da depressão em jovens universitários com e sem sintomas para desenvolver a depressão. Psicol-Reflex Crit 2008;21(3):492-8.
4. Brondino N, Rocchetti M, Fusar-Poli L, Codrons E, Correale L, Vandoni M, et al. A systematic review of cognitive e?ects of exercise in depression. Acta Psychiatr Scand 2017;135(4):285-95.
5. Coutinho MPL, Gontiès B, Araújo LF, Sá RCN. Depressão, um sofrimento sem fronteira: representações sociais entre crianças e idosos. Psico-USF 2003;8(2):93-2.
6. Leite MT, Winck MT, Hildebrandt LM, Kirchner RM, Silva LAA. Qualidade de vida e nível cognitivo de pessoas idosas participantes de grupos de convivência. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol. 2012;15(3):481-92.
7. Yassuda MS, Lasca VB, Neri AL. Metamemória e auto-eficácia: um estudo de validação de instrumentos de pesquisa sobre memória e envelhecimento. Psicol. Refl Crít 2005;18(1):78-90.
8. Colcombe, SJ et al. Aerobic fitness reduces brain tissue loss in aging humans. J Gerontol, 2003;58(2):176-80.
9. Guimarães AV, Rocha SV, Barbosa AR. Exercise and cognitive performance in older adults: a systematic review. Medicina 2014;47(4):377-86.
10. Antunes HKM. A influência do exercício físico aeróbico em funções cognitivas e viscosidade do sangue de idosos normais [Dissertação]. São Paulo: Universidade Federal de São Paulo; 2003.
11. Banhato EFC, Scoralick NN, Guedes DV, Silva KCA, Mota MMPE. Atividade fisica, cognição e envelhecimento: estudo de uma comunidade urbana. Psicol. teor. prat. 2009;11(1):76-84.
12. Braga MM, Soares FC, Costa AS, Deslandes AC, Hardman CM. Efeito do exercício físico nas funções cognitivas em idosos depressivos: revisão sistemática. ConScientiae saúde. 2019;18(1):141-8.
13. Carvalho A, Rea IM, Parimon T, Cusack BJ. Physical activity and cognitive function in individuals over 60 years of age: a systematic review. Clin Interv Aging 2014;9:661-82.
14. Bell KE, Fang H, Snijders T, Allison DJ, Zulyniak MA, Chabowski A, et al. A multi-ingredient nutritional supplement in combination with resistance exercise and high-intensity interval training improves cognitive function and increases n-3 index in healthy older men: a randomized controlled trial. Front Aging Neurosci. 2019;11(107):1-13.
15. Engh JA, Andersen E, Holmen TL, Martinsen EW, Mordal J, Morken G, et al. Effects of high-intensity aerobic exercise on psychotic symptoms and neurocognition in outpatients with schizophrenia: study protocol for a randomized controlled trial. BMC, 2015; 16(557):1-12.
16. Lamb SE, Sheehan B, Atherton N, Nichols V, Collins H, Mistry D, et al. Dementia and physical activity (DAPA) trial of moderate to high intensity exercise training for people with dementia: randomised controlled trial. BMJ 2018;361(k1675):1-11.
17. Thompson PDR, Pescatello DLS, Arena R. Diretrizes do ACSM - para os testes de esforço e sua prescrição: Guanabara Koogan, 2014.
18. Sousa R, Medeiros JGM, Moura ACL, Souza CLM, Moreira IF. Validade e fidedignidade da Escala de Depressão Geriátrica na identificação de idosos deprimidos em um hospital geral. J. bras. psiquiatr. 2007;56:102-107.
Publicado
2020-03-26
Como Citar
Feitosa Pereira de Souza, K., Hardman, C. M., Vila Nova Gomes, R., Rodrigues, O., Karina da Silva Ferreira, D., dos Santos Costa, A., & Moreira Braga, M. (2020). Efeito agudo de exercício aeróbio intervalado de moderada intensidade nas funções cognitivas em idosas depressivas. Arquivos Brasileiros De Educação Física, 2(2), 28 - 35. https://doi.org/10.20873/10.20873/abef.2595-0096.v2n2p28.2019