Questionário Baecke de Atividade Física Habitual

Reprodutibilidade dos Escores e Itens em Adolescentes

  • Gustavo Arruda Universidade de Pernambuco/Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças
  • Francys Cantieri Universidade de Pernambuco/Escola Superior de Educação Física
  • Diogo Coledam Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo/Campus Boituva
  • Edineia Ribeiro Universidade Federal de Mato Grosso do Sul/Campus do Pantanal
  • Mauro Barros Universidade de Pernambuco/Escola Superior de Educação Física
  • Clara Freitas Universidade de Pernambuco/Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças
  • Amanda Albuquerque Universidade de Pernambuco/Faculdade de Enfermagem Nossa Senhora das Graças
  • Arli Oliveira Universidade Estadual de Londrina/Centro de Educação Física e Esporte
Palavras-chave: estudos epidemiológicos, comportamento sedentário, estilo de vida saudável

Resumo

O objetivo do presente estudo foi verificar a reprodutibilidade do Baecke Questionnaire of Habitual Physical Activity – BQHPA de acordo com o escore geral, dimensões e itens, bem como o possível viés do intervalo de dias sobre a reprodutibilidade. Trata-se de um estudo de reprodutibilidade, parte de uma pesquisa longitudinal sobre comportamentos e indicadores relacionados à saúde, bem como o desempenho escolar de adolescentes (n=205). O intervalo médio entre o teste e reteste foi de 20 (desvio padrão=9) dias. Os índices de reprodutibilidade variaram de moderado a excelente, apenas uma dimensão teve índice regular (k=0,39; 69,7%) e uma questão apresentou diferença significativa (p=0,016) entre o teste e reteste (k=0,56; 78,1%). O intervalo de dias demonstrou baixa correlação com as diferenças obtidas para as questões do BQHPA. O uso do escore geral, por dimensões e dos itens do BQHPA apresentou índices de reprodutibilidade aceitáveis e baixo viés referente ao intervalo de dias.

Referências

1. Lee IM, et al., Lancet Physical Activity Series Working Group. Effect of physical inactivity on major non-communicable diseases worldwide: An analysis of burden of disease and life expectancy. Lancet. 2012;380(9838):219-29.
2. Biswas A, Oh PI, Faulkner GE, Bajaj RR, Silver MA, Mitchell MS, et al. Sedentary time and its association with risk for disease incidence, mortality,and hospitalization in adults: a systematic review and meta-analysis. Ann Intern Med. 2015;162(2):123-32.
3. Andersen LB, Schnohr P, Schroll M, Hein HO. All-cause mortality associated with physical activity during leisure time, work, sports, and cycling to work. Arch Intern Med. 2000;160(11):1621-8.
4. Baecke JAH, Burema J, Frijters JER. A short questionnaire for the measurement of habitual physical activity in epidemiological studies. Am J Clin Nutr. 1982;36(5):936-42.
5. Pate RR, O´Neill R, Lobelo F. The evolving definition of sedentary. Exerc Sport Sci Rev. 2008;36(4):173-8.
6. Fernandes RA, Christofaro DG, Casonatto J, Kawaguti SS, Ronque ER, Cardoso JR, et al. Cross-sectional association between healthy and unhealthy food habits and leisure physical activity in adolescents. J Pediatr. 2011;87(3):252-6.
7. Coledam DHC, Ferraiol PF, Arruda GA, Pires Junior R, Teixeira M, Greca JPA, et al. Rev Salud Pública. 2013; 15(6):810-15.
8. Coledam DHC, Ferraiol PF, Pires Junior R, Dos-Santos JW, Oliveira AR. Prática esportiva e participação nas aulas de educação física: fatores associados em estudantes de Londrina, Paraná, Brasil. Cad Saúde Pública 2014;30(3):533-545.
9. Coledam DHC, Ferraiol PF, Pires Junior R, Ribeiro EA, Ferreira MA, Oliveira AR. Agreement between two cutoff points for physical activity and associated factors in young individuals. Rev Paul Pediatr. 2014;32(3):215-22.
10. Luiz RR, Magnanini MMF. A lógica da determinação do tamanho da amostra em investigações epidemiológicas. Cad Saúde Colet. 2000;8(2):9-28.
11. Silva MAM, Rivera IR, Ferraz MRMT, Pinheiro AJT, Alves SWS, Moura AA, et al. Prevalência de fatores de risco cardiovascular em crianças e adolescentes da rede de ensino da cidade de Maceió. Arq Bras Cardiol. 2005;84(5),387-92.
12. Landis JR, Koch GG. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics.1977; 33:159-174.
13. Fleiss JL. The design and analysis of clinical experiments. New York, NY: John Wiley and Sons; 1986.
14. Arruda GA, Coledam DHC, Oliveira AR, Neri FS, Greca JPA, Cardoso JR. Proposal and test-retest reliability of a scale for cervical, thoracic, and lumbar spine pain in brazilian young people. Rev Paul Pediatr. 2019; 37(4):450-457. http://dx.doi.org/10.1590/1984-0462/;2019;37;4;00001.
15. Guthold R, Stevens GA, Riley LM, Bull FC. Global trends in insufficient physical activity among adolescents: a pooled analysis of 298 population-based surveys with 1·6 million participants. Lancet Child Adolesc Health. 2020;4(1):23-35. doi: 10.1016/S2352-4642(19)30323-2.
16. Tremblay MS. Challenges in global surveillance of physical activity. Lancet Child Adolesc Health. 2020;4(1):2-3. doi: 10.1016/S2352-4642(19)30348-7.
17. Guedes DP, Lopes CC, Guedes JERP, Stanganelli LC. Reprodutibilidade e validade do questionário Baecke para avaliação da atividade física habitual em adolescentes. Rev Port Cien Desp. 2006;6(3):265-274.
Publicado
2020-03-13
Como Citar
Arruda, G., Cantieri, F., Coledam, D., Ribeiro, E., Barros, M., Freitas, C., Albuquerque, A., & Oliveira, A. (2020). Questionário Baecke de Atividade Física Habitual. Arquivos Brasileiros De Educação Física, 2(2), 15 - 27. https://doi.org/10.20873/abef.2595-0096.v2n2p15.2019