A FORMAÇÃO A DISTÂNCIA PARA A DOCÊNCIA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

  • André Pontes Silva Claretiano
Palavras-chave: Educação Física, Educação a Distância, Formação para Professores

Resumo

O objetivo deste artigo é mostrar ao analisar os currículos da formação profissional em Educação Física, que é possível a formação de docentes em Educação Física a Distância, uma vez que o ato de refletir antes, durante e após a prática pedagógica, caracteriza a qualidade do desenvolvimento educacional contemporâneo. Uma pesquisa qualitativa; o presente estudo consiste em uma análise de currículos e Formação Profissional de Educação Física a Distância, subsidiado na pesquisa bibliográfica. Como o modelo tradicional de ensino prioriza a seleção dos mais habilidosos em busca do atleta herói, a proposta pedagógica apoiada na reflexão é mais interessante, já que nem todos os alunos serão ou desejam ser atletas.  Desta forma, a formação a distância para a docência em educação física parece ser uma excelente estratégia educacional para nossa sociedade pós-moderna.  

Referências

1. Carvalho B. Ensino a distância: limites e possibilidades na formação de professores. 2014; (1): 15-284
2. Guarezi RCM. Educação a distância sem segredos. Curitiba: EditoraIbpex. 2009.
3. Keegan DJ. On Defining Distance Education. Distance Education. 1980; 1 (1):13-36.
4. Pierre P. Distance Learning in Physical Education. Quest. 1998; 50 (4): 56-344.
5. Mielke D. Effective Teaching in Distance Education. ERIC Digest. 1999; 1 (1):1-16.
6. Capeletti AM. Ensino a Distância. Revista Eletrônica Saberes da Educação. 2014; 5 (1): 30-45
7. Darido SC. Teoria, prática e reflexão na formação profissional em Educação Física. Motriz. 1995; 1 (2): 124-128.
8. Betti M, Betti-Rangel IC. Novas Perspectivas na Formação Profissional em Educação Física. Motriz. 1996; 2 (1) 10-15.
9. Brod FAT, Rodrigues SC. O conversar como estratégia de formação contínua na tutoria da educação profissional a distância. Revista Brasileira de Educação. 2016; 21 (66): 631-652.
10. Neves JL. Pesquisa Qualitativa – Características, usos e possibilidades. Caderno de Pesquisas em Administração, São Paulo. 1996; 1 (3): 1-5.
11. Vilela LO. Aplicação do PROKNOW-C para seleção de um portifólio bibliográfico e análise bibliométrica sobre avaliação de desempenho da gestão do conhecimento. Revista Gestão Industrial. 2012; 8 (1): 77-92.
12. Marinheiro CA, Sanches EL, Archanjo RM. Metodologia da pesquisa científica. Batatais: Claretiano, 2016.
13. Bracht V. Educação Física e aprendizagem social. Porto Alegre: Magister, ed. 2, 1997.
14. González FJ, Fensterseifer PE. Dicionário crítico de Educação Física. Ijuí: Unijuí, 2014.
15. Neto SS. Alegre AN, Hunger D, Pereira JM. A formação do profissional de Educação Física no Brasil: uma história sob a perspectiva da legislação federal no século XX. Revista Brasileira de Ciências do Esporte. 2004; 25 (2): 113-128.
16. Impolcetto FM. Introdução à História e Teoria da Educação Física. Batatais: Claretiano, 2013.
17. Silva AP, Silva RCA, Silva VLFF. Os principais aspectos do Transtorno do Desenvolvimento da Coordenação nas Atividades da Vida Diária de uma criança em fase de crescimento: um consenso científico. Batatais: Claretiano. 2017; 6 (1): 37-45.
18. Tani G. Avaliação das condições do ensino de graduação em Educação Física: garantia de uma formação de qualidade. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte. 2009; 6 (2): 55-70.
19. Nóvoa A. (Coord.). Os professores e a sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.
20. Brandão CR. O que é Educação. 10 ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993.
21. Neira MG, Nunes MLF. Educação Física Currículo e Cultura. São Paulo: Phorte, 2009.
22. Sancho JM, Hernández F. Tecnologias para Transformar a Educação. Porto Alegre: Artmed, 2006.
23. Santos MAGNO. esporte nas aulas de educação física no ensino médio: o discurso dos professores da rede pública da cidade de ourinhos (SP). São Paulo: USJT. 2007; 1(1): 7-129
24. Maldonado DT, Limongelli A. Sistematização das aulas de Educação Física das séries inicias do Ensino Fundamental. Coleção Pesquisa Em Educação Física. 2009; 8 (2): 221-226.
25. Benakouche T. Educação a distância (EaD): uma solução ou um problema?. SOCIUS. 2000; 1 (5) 2-23.
26. Darido SC. Caderno de Formação. Educação física na escola: conteúdos, suas dimensões e significados. UNESP. Prograd. Caderno de formação: formação de professores didática geral. São Paulo: Cultura Acadêmica. 2012; 2 (1): 51-75.
27. Mazo JZ, Goellner SV. Pensando a educação física humanista: conservadora ou emancipatória?.Florianopolis. Motrivivencia. 1993; 6 (4): 65-71.
28. Neira MG. Formação para Docência em Educação Física a Distância: um estudo de caso. Grupo de Pesquisa em educação Física Escolar. Faculdade de Educação da USP. Brasil, 2008. 13 (119): 1-10.
29. Dowbor L. Tecnologias do conhecimento: os desafios da educação. Petrópolis: Vozes, 2001.
30. Betti M. Educação física como prática científica e prática pedagógica: reflexões à luz da filosofia da ciência. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. 2005; 19 (3): 183-197.
31. Silva SAPS, Costa AP, Miranda MLJ, Silva DL, Vecchi RL, Velardi M. Análise da nova proposta curricular do curso de educação física da universidade São Judas Tadeu frente às diretrizes curriculares nacionais e CONFEF. Formação profissional em Educação Física: Estudos e Pesquisas. Rio Claro: Biblioética, 2006; 1 (1): 1-19.
32. Piazzi P. Aprendendo inteligência: manual de instruções do cérebro para alunos em geral. São Paulo: Aleph, 3º ed., 2014.
33. Samuels SJ. Toward a Model of Reading Fluency. Newark DE: International Reading Association. 2006. 1 (1): 24-46.
34. Martins ME, SÁ CM. Ser leitor no século XXI: importância da compreensão na leitura para o exercício pleno de uma cidadania responsável e activa. Saber (e) Educar. Porto: ESE de Paula Frassinetti. 2008; 13 (1): 235-246.
35. Gardner, H. Frames of mind: The theory of multiple intelligences. Basic books, 2011.
Publicado
2019-06-17
Como Citar
Silva, A. P. (2019). A FORMAÇÃO A DISTÂNCIA PARA A DOCÊNCIA EM EDUCAÇÃO FÍSICA. Arquivos Brasileiros De Educação Física, 2(1), 30 - 39. https://doi.org/10.20873/abef.2595-0096.v2n1p30.2019
Seção
Revisões sistemáticas e metanálises