Projeto “Multiplicando o Saber” do Sesc-DF: um relato de promoção do processo de envelhecimento saudável a partir de experiência profissional na área do Serviço Social

  • Gracielle Macedo Borges Serviço Social do Comércio do Distrito Federal
Palavras-chave: Envelhecimento, Serviço social, Participação social

Resumo

O presente relato tem como objetivo demonstrar os benefícios que o projeto “Multiplicando o Saber” do Serviço Social do Comércio do Distrito Federal (Sesc-DF) proporciona para o processo de envelhecimento saudável a partir de experiência profissional na área de Serviço Social. Esboça uma análise de proposições que conduzem ao desenvolvimento de habilidades por meio de técnicas artesanais ao mesmo tempo que viabiliza ações socioeducativas reflexivas com vistas ao fortalecimento de cidadãos com participação social ativa e autônoma. Trata-se de um estudo descritivo em formato de relato de experiência e coleta de dados por meio de instrumental avaliativo com 5 (cinco) participantes do grupo de convivência de idosos, denominado Grupo dos Mais Vividos, na faixa etária de 61 a 79 anos. Evidenciou-se como elemento conclusivo a construção do pensamento e argumentações destacadas por cada idosa no decorrer do processo reflexivo por intermédio de mediação de assistente social, que demonstra a relevância da atuação frente às novas configurações do envelhecimento, pois esse profissional possui em sua essência postura, compromisso e sustentação de suas ações balizadas pelos princípios fundamentais em defesa da construção de uma sociedade mais humana e justa. Por meio de uma prática intencional direcionada ao enfrentamento crítico da realidade, o idoso é orientado a desenvolver seu potencial a fim de que ele observe as relações sociais que permeiam a vida em sociedade com maior criticidade, e de maneira que suas escolhas, atitudes e pensamentos gerem um modo de viver ativo e bem-sucedido

Referências

1. CENSO DEMOGRÁFICO 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011. Disponível em: . Acesso em 4 maio 2018.
2. FRANÇA, Leandro; MURTA, Cristineide Giardini; FABIO, Sheila Iglesias. Planejamento da aposentadoria: uma escala de mudança de comportamento. Revista Brasileira de Orientação Profissional, n. 15, 2014. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2018.
3. GUEDES, Maria Heliana Mota; ALMEIDA, Martha Elisa Helisamara Ferreira de. Efeito da prática de trabalhos manuais sobre a autoimagem de idosos. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia [en linea], n. 14, 2011. Disponível em: . Acesso em: 4 maio 2018.
4. ZIEM, Flavia. Envelhecimento e Educação: Um campo de novas reflexões e saberes para o Serviço Social. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Serviço Social) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2010.
5. MINAYO, Maria Cecília. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 21. ed. Petrópolis: Vozes 2010.
6. FERREIRA, Heloísa Gonçalves; BARHAM, Elizabeth Joan. O Envolvimento de idosos em atividades prazerosas: Revisão da Literatura sobre Instrumentos de Aferição. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, n. 14, 2011 Disponível em: . Acesso em: 5 jul. 2018.
7. CALDAS, C. P. Introdução a gerontologia. In: VERAS, Renato, LOURENÇO, Roberto (Org.). Formação Humana em Geriatria e Gerontologia: uma perspectiva interdisciplinar. RJ Unati/UERJ, 2006.
8. DENDENA, Aline et al. Religiosidade e envelhecimento bem-sucedido. Unoesc & Ciência – ACHS, Joaçaba, v. 2, n. 2, p. 184-196, jul./dez. 2011.
9. BRASIL. Portaria nº 2.528. Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Portal da Saúde do Governo Federal, Brasília, DF, 19 de outubro de 2006. Disponível em: . Acesso em: 3 ago. 2018.
10. ROSSI, Maria Helena Wagner. Imagens que falam: leitura da arte na escola. Porto Alegre: Mediação, 2003. 140 p. (Educação e arte).
11. VERGARA, Eva Maria Bitencourt. O significado da categoria mediação no serviço social. In: SEMINÁRIO NACIONAL, ESTADO E POLÍTICAS SOCIAIS NO BRASIL, 2., 2003. Anais... Cascavel: Unioeste, 2003.
12. BRUNO, Marta Regina Pastor. Cidadania não tem idade. Revista de Serviço Social e Sociedade, São Paulo, ano XXIV, n. 75, especial, 2003.
13. MIRANDA, Gabriela Morais Duarte; MENDES, Antônio da Cruz Gouveia; SILVA, Ana Lúcia Andrade da. O envelhecimento populacional brasileiro: desafios e consequências sociais atuais e futuras. Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia, 2016. Disponível em:. Acesso em: 23 maio 2018.
14. SESC. Modelo Trabalho Social com Idosos: Trabalho Social com Idosos do Sesc, 2009.
15. MORAGAS, Ricardo M. Gerontologia Social: envelhecimento e qualidade de vida. São Paulo: Paulinas, 1997.
16. BRASIL. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. World Health Organization; tradução Suzana Gontijo. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2005. 60p.
17. PROGRAMA DO ARTESANATO BRASILEIRO. Base conceitual do artesanato brasileiro. Brasília: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. 2012, 60p.
18. IAMAMOTO. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil: Esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 29. ed. São Paulo: Cortez; Lima:CELATS, 2009.
19. GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade do serviço social. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002.
Publicado
2020-03-13
Como Citar
Borges, G. M. (2020). Projeto “Multiplicando o Saber” do Sesc-DF: um relato de promoção do processo de envelhecimento saudável a partir de experiência profissional na área do Serviço Social. Arquivos Brasileiros De Educação Física, 2(1), 73 - 85. https://doi.org/10.20873/abef.2595-0096.v2n1p73.2019
Seção
Relatos de Experiências