EU, INTERSEXO…”:

REFLEXÕES SOBRE INTERSEXUALIDADE A PARTIR DA ESCRITA DE CARTAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20873/riecim.v2i2.14849

Palavras-chave:

Educação em Ciências, Epistemologia Feminista, Educação Sexual

Resumo

Neste estudo, analiso a construção e desenvolvimento de uma sequência didática sobre a temática de intersexualidade, voltada para estudantes do 8º ano do ensino fundamental. A elaboração e análise da sequência didática foram embasadas nos estudos feministas e de gênero, com foco nas feministas biólogas. O objetivo da sequência foi problematizar o binário rígido masculino/feminino, a partir da discussão sobre casos de intersexualidade. Por meio desta prática pedagógica, constatei que as/os discentes refletiram sobre o binário maculino/feminino, seja no estudo anatômico-fisiológico intersexual, ou quando entraram em contato com reivindicações políticas do movimento intersexual brasileiro. Enfim, é preciso discutir mais sobre intersexualidade no ensino de ciências, abarcando as diversidades intersexuais como possibilidades fora do viés patológico.

Referências

AINSWORTH, Claire. Sex Redefined. Nature, v. 518, 2015. Disponível em: https://www.nature.com/articles/518288a.pdf . Acesso em: 12 jun. 2022.

BASTOS, Felipe. “A diretora sabe que você está trabalhando isso na sala de aula?”: diversidade sexual e ensino de ciências. 2015. 180 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de Educação, Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: 2022.https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=26508@1. Acesso em: 12 jun. 2022.

BASTOS, Felipe. “Eu fico meio sem saber como eu vou falar isso assim, do nada”: currículo, diversidade sexual e ensino de biologia. In: TEIXEIRA, Pedro Pinheiro; OLIVEIRA, Roberto Dalmo Varallo Lima de; QUEIROZ, Glória Regina Pessôa Campello (Org.). Conteúdos cordiais: biologia humanizada para uma escola sem mordaça.São Paulo: Editora Livraria da Física, 2019.

BASTOS, Felipe; ANDRADE, Marcelo. “Ser mulher não tem a ver com dois cromossomos X”: impactos da perspectiva feminista de gênero no ensino de ciências. Revista Diversidade e Educação, v.4, n.8, p. 56-64, 2016. Disponível em: https://periodicos.furg.br/divedu/article/view/6740. Acesso em: 13 jun. 2022.

BRASIL. Projeto de Lei N° 2578 de 2020. 2020. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=2252276. Acesso em: 25 ago. 2022.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. 15 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 4 ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2018.

COELHO, Leandro Jorge; CAMPOS, Luciana Maria Lunardi. Diversidade sexual e ensino de ciências: buscando sentidos. Ciência & Educação, Bauru, v. 21, n. 4, p. 893-910, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/fCSb69yzh8wDm3tWXKYsFkS/?format=pdf&lang=pt . Acesso em: 13 jun. 2022.

COSTA, Dhemersson Warly Santos; SILVA, Carlos Augusto Silva. “Que palhaçada é essa?”: um relato sobre a sexualidade no Ensino de Ciências. Diversidade e Educação, [S. l.], v. 5, n. 2, p. 96–101, 2018. DOI: 10.14295/de.v5i2.7537. Disponível em: https://periodicos.furg.br/divedu/article/view/7537. Acesso em: 25 out. 2022.

EXTRA. Em decisão inédita no Brasil, Justiça do Rio autoriza certidão de nascimento com registro de ‘sexo não especificado’. 2020. Disponível em: https://extra.globo.com/noticias/rio/em-decisao-inedita-no-brasil-justica-do-rio-autoriza-certidao-de-nascimento-com-registro-de-sexo-nao-especificado-rv1-1-24649959.html . Acesso em: 03 set. 2022.

FAUSTO-STERLING, Anne. The five sexes. The Sciences, p. 20–24, 1993.

FAUSTO-STERLING, Anne. The five sexes, revisited. The Sciences, 2000a.

FAUSTO-STERLING, Anne. The Sex/Gender Perplex. Studies in History and Philosophy of Science, v. 31, n. 4, p. 637–646, 2000b.

FAUSTO-STERLING, Anne. Dualismos em duelo. Cadernos Pagu, n.17-18, p.9-79, 2002. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8644553. Acesso em: 13 jun. 2022.

FAUSTO-STERLING, Anne. Sex/Gender: Biology in a Social World. Nova Iorque: Routledge, 2012.

FAUSTO-STERLING, Anne. Gender/sex, sexual orientation, and identity are in the body: how did they get there? The Journal of Sex Research, p. 1-27, 2019.

FAUSTO-STERLING, Anne. Sexing the body: gender politics and the construction of sexuality. Basic Books: New York, 2020.

IMPERATO-MCGINLEY, Julianne; ZHU, Yuan-Shan. Androgens and male physiology the syndrome of 5alpha-reductase-2 deficiency. Molecular and Cellular Endocrinology, v. 1-2, n. 198, p. 51-59, 2002.

ITAÚ CULTURAL. ATIVISTAS EXPLICAM O QUE É SER INTERSEXO. Youtube, 20 set. 2018. (5 minutos e 06 segundos). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=AxgmwbPCqr0&list=LL&index=25>. Acesso em: 13 jun. 2022.

MELO, Andréa Silene Alves Ferreira. Operação “pente fino”: um levantamento das publicações sobre gênero, sexualidade e corpo nos ENPEC. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação de Ciências - ENPEC, 11, 2017, Florianópolis. Anais... .Florianópolis: ABRAPEC, 2017.

MOSLEY, Michael. Guevedoces: o estranho caso das 'meninas' que ganham pênis aos 12 anos. BBC Brasil online. 2015. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/09/150921_meninos_puberdade_lab. Acesso em: 10 out. 2022.

NUCCI, Marina Fisher. Crítica feminista à ciência: das “feministas biólogas” ao caso das “neurofeministas”. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, n. 26, v.1, 2018.

OLIVEIRA, Carlos Henrique. Como é ser uma pessoa intersexual? Youtube, 19 jun. 2019. (5 minutos e 27 segundos). Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=qJK5hy7R7kg&list=LL&index=24>. Acesso em: 13 jun. 2022.

PINHO, Raquel; BASTOS, Felipe. Sentidos de sexualidade nos anais dos Encontros Nacionais de Ensino de Biologia (2005-2016). Ensino em Re-Vista, v. 26, n. 1, p. 82–99, 2019.

ROUGHGARDEN, Joan. Evolução do gênero e da sexualidade. Londrina: Editora Planta, 2005.

SILVA, Luciana Aparecida Siqueira; SILVA, Elenita Pinheiro de Queiroz. Diálogos entre intersexualidade e ensino de biologia. Diversidade e Educação, v. 9, n. especial, p. 576–599, 2021. Disponível em: https://periodicos.furg.br/divedu/article/view/12837. Acesso em: 12 jun. 2022.

VIEIRA, Amiel. Amiel Vieira – Todos os Gêneros (2017). Youtube, 11 maio 2018. (4 minutos e 34 segundos) Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=PIHlfpfzvac&list=LL&index=20>. Acesso em: 13 jun. 2022.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

TAVARES, Bruno. EU, INTERSEXO…”:: REFLEXÕES SOBRE INTERSEXUALIDADE A PARTIR DA ESCRITA DE CARTAS. Revista Interdisciplinar em Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 99–111, 2022. DOI: 10.20873/riecim.v2i2.14849. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/RIEcim/article/view/14849. Acesso em: 22 fev. 2024.