“AS MULHERES SÃO MENOS PRODUTIVAS QUE OS HOMENS”

DIÁLOGOS COM A COLONIALIDADE DE GÊNERO NOS LIVROS DIDÁTICOS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20873/riecim.v2i2.14809

Palavras-chave:

Colonialidade de Gênero, Livros didáticos, PNLD, Ciências da Natureza

Resumo

Com o crescimento de mulheres cientistas é importante pensar como os livros didáticos estão inserindo essas discussões na área de Ciências da Natureza. O presente trabalho tem como objetivo analisar as contribuições dos livros didáticos do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD 2021) da área das Ciências da Natureza e suas Tecnologias na perspectiva da colonialidade de gênero. A busca foi realizada em livros digitais, filtrando-se as palavras-chave: colonialidade, gênero e mulher. Os resultados foram analisados pela Análise Textual Discursiva (ATD) e pela Análise de Discurso Franco-Brasileira. A partir das categorias inferimos que há maior presença das mulheres nos livros didáticos, porém há silêncios sobre mulheres latino-americanas, negras ou indígenas. Consideramos futuramente utilizar palavras-chave como classe, raça e etnia.

Biografia do Autor

Fernanda Ozelame de Souza , UFSC

Licenciada em Química pela UFSC e Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT)

Suzani Cassiani, UFSC

Licenciada em Ciências Biológicas com Especialização, Mestrado, Doutorado em Educação pela UNICAMP (2000) e Pós-Doutorado em Ciências Sociais (Estágio Sênior, 2015) na Universidade de Coimbra-Portugal. Atualmente é  professora titular da Universidade Federal de Santa Catarina, atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica (UFSC)  

Irlan Von Linsingen, UFSC

Graduado em Engenharia Mecânica, com mestrado em Ciências Térmicas (EMC/PPGEM/UFSC), doutorado em Educação em Ciências - UFSC (2002) e pós-doutorado em Ciências Sociais (Estágio Sênior CAPES - 2015) na Universidade de Coimbra-Portugal. Atualmente é professor Titular da Universidade Federal de Santa Catarina, atuando no Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica (PPGECT)   

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo estrutural. Pólen Produção Editorial LTDA, 2019.

AMABIS, José Mariano et al. Moderna Plus: ciências da natureza e suas tecnologias. São Paulo: Moderna, 2020.

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista brasileira de ciência política, n. 11, p. 89-117, 2013.

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto editora, 1994.

CASSIANI, Suzani. Counter-hegemonic science education: understanding the effects of coloniality and proposing a decolonial pedagogy. Cultural Studies Of Science Education, [S.L.], v. 16, n. 4, p. 1353-1360, 18 ago. 2021. Springer Science and Business Media LLC.

CASSIANI, Suzani. Reflexões sobre os efeitos da transnacionalização de currículos e da colonialidade do saber/poder em cooperações internacionais: foco na educação em ciências. Ciência & Educação (Bauru), [S.L.], v. 24, n. 1, p. 225-244, jan. 2018. FapUNIFESP (SciELO).

CASSIANI, Suzani; OROZCO, Yonier; KARIDY, Mara. Decolonizando a Educação em Ciências e sua pesquisa: provocações sobre processos teórico-metodológicos, 2021 - capítulo. Livro Decolonialidades na Educação em Ciências, vol. 2 - no prelo.

CORRÊA, Rosa Lydia Teixeira. O livro escolar como fonte de pesquisa em História da Educação. Cadernos Cedes, [S.L.], v. 20, n. 52, p. 11-23, nov. 2000. FapUNIFESP (SciELO).

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

GODOY, Leandro et al. Multiversos: ciências da natureza. São Paulo: Ftd, 2020.

GONÇALVES, Josimere Serrão; RIBEIRO, Joyce Otânia Seixas. Colonialidade de gênero: O feminismo decolonial de Maria Lugones. VIII Seminário Gênero, Corpo e Sexualidade, Universidade Federal do Rio Grande, 2018.

GROSSI, Márcia Gorett Ribeiro et al. As mulheres praticando ciência no Brasil. Revista Estudos Feministas, [S.L.], v. 24, n. 1, p. 11-30, abr. 2016. FapUNIFESP (SciELO).

GUIMARÃES, Maria. Ciência, palavra (pouco) feminina. Revista Pesquisa Fapesp, São Paulo, p. 58-61, dez. 2011. Especial - Ano Internacional da Química. Disponível em: https://revistapesquisa.fapesp.br/ciencia-palavra-pouco-feminina/>. Acesso em: 03 fev. 2022.

JAMAL, Natasha Obeid El; GUERRA, Andreia. O lado invisível na história da ciência: uma

revisão bibliográfica sob perspectivas feministas para a educação científica. Revista Debates em Ensino de Química, [S.I], v. 6, n. 2, p. 311-333, ago. 2021.

LOPES, Sônia et al. Ciências da natureza Lopes & Rosso. São Paulo: Moderna, 2020.

LÖWY, Ilana. Por que tão devagar? Os obstáculos para a igualdade dos sexos na pesquisa científica. In GROSSI, Miriam Pillar; REA, Caterina Alessandra. Teoria Feminista e Produção de Conhecimento Situado: Ciências Humanas, Biológicas, Exatas e Engenharias. Florianópolis: Tribo da Ilha e Devires, 2020. p.231-246

LUGONES, María. Colonialidade e gênero. Tabula rasa, n. 9, p. 73-102, 2008.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Revista Estudos Feministas, v. 22, p. 935-952, 2014.

MORAES, Roque.; GALIAZZI, Maria do Carmo. Análise textual discursiva. 1. ed. Ijuí: Editora Unijuí, 2007.

MORTIMER, Eduardo et al. Genética e Evolução. In: MORTIMER, Eduardo et al. Matéria, Energia e Vida: uma abordagem interdisciplinar: evolução, biodiversidade e sustentabilidade. São Paulo: Scipione, 2020. Cap. 2, p. 64.

OLIVEIRA, Maíra Caroline Defendi; VON LINSINGEN, Irlan. Alternativas epistêmicas emergentes na ciência e seu ensino a partir do sul global. Perspectiva, [S.L.], v. 39, n. 2, p. 1-19, 11 maio 2021. Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de discurso: princípios & procedimentos. Pontes,2005. 5ª Edição.

SANTOS, Kelly Cristina dos. A ciência moderna: o nascimento da ciência moderna. In: SANTOS, Kelly Cristina dos. Diálogo: ciências da natureza e suas tecnologias: o universo da ciência e a ciência do universo. São Paulo: Moderna, 2020. Cap. 3, p. 25.

SCHIEBINGER, Londa. O feminismo mudou a ciência? Bauru, SP: Edusc, 2001. 384 p. Tradução de Raul Fiker.

THOMPSON, Miguel et al. Saúde: Bem-estar físico, mental e social: saúde do adolescente e sexualidade. In: THOMPSON, Miguel et al. Conexões: Ciência da Natureza e suas Tecnologias: saúde e tecnologia. São Paulo: Moderna, 2020. Cap. 4, p. 89.

VÁZQUEZ-CUPEIRO, Susana. Ciencia, estereotipos y género: una revisión de los marcos explicativos. Convergencia, v. 22, n. 68, p. 177-202, 2015.

ZAMBONI, André; BEZERRA, Lia Monguilhott. Física Nuclear: o prêmio Nobel e madame Curie. In: ZAMBONI, André; BEZERRA, Lia Monguilhott. Ser protagonista: Ciência da Natureza e suas Tecnologias: composição e estrutura dos corpos. São Paulo: SM, 2020. Cap. 4, p. 58.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

HINKEL, Joice; OZELAME DE SOUZA , Fernanda; CASSIANI, Suzani; VON LINSINGEN, Irlan. “AS MULHERES SÃO MENOS PRODUTIVAS QUE OS HOMENS”: DIÁLOGOS COM A COLONIALIDADE DE GÊNERO NOS LIVROS DIDÁTICOS . Revista Interdisciplinar em Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 2, n. 2, p. 128–146, 2022. DOI: 10.20873/riecim.v2i2.14809. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/RIEcim/article/view/14809. Acesso em: 28 fev. 2024.