Ára (Tempo/Espaço)

MARCADORES DO TEMPO NA PERSPECTIVA GUARANI NO ESPAÇO DA RESERVA INDÍGENA DE AMAMBAI

Autores

  • Issias Sanches Martins Secretaria Municipal de Amambai
  • MARIA APARECIDA OLIVEIRA UFGD

DOI:

https://doi.org/10.20873/riecim.v1i2.12751

Palavras-chave:

marcadores de tempo, Guarani e Kaiowá, etnomatemática, educação indígena, educação escolar indígena

Resumo

O tempo trouxe transformações nos Tekohas (territórios) interferindo na produção do Teko (cultura), causando difrentes formas de ocupação do espaço ao longo do tempo para os povos indígenas. Apesar destas transforções persistem diferentes formas de marcar o tempo na cosmologia de cada povo indígena. Pretendemos refletir o sobre o tempo/espaço a partir da perspectiva dos Guarani e Kaiowá. O trabalho foi desenvolvido em uma Reserva Indígena por meio de observações e conversas com pessoas mais velhas. As diferentes concepções de tempo, presentes nas diferentes situações de lidar e viver no tempo e espaço da reserva evidenciou que é possível abordar o conhecimento matemático a partir de outras formas de percepção de tempo que não apenas a do calendário ocidental.

Biografia do Autor

Issias Sanches Martins, Secretaria Municipal de Amambai

Professora indígena de matemática da Secretaria Municipal de Educação

Referências

AQUINO, E. V. Educação escolar indígena e os processos próprios de aprendizagens:

espaços de inter-relação de conhecimentos na infância Guarani/Kaiowá, antes da

escola, na comunidade indígena de Amambai, Amambai – MS. 2012. 118 f. Dissertação

(Mestrado em Educação) – UCDB, Campo Grande, 2012.

BATISTA, E. Fazendo pesquisa com meu povo. Tellus. Ano 6, n.10. abr. 2006.

Disponível em: <http://www.gpec.ucdb.br/projetos/tellus/index.php/tellus/article/view/125/0>. Acesso

em jan/2021.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: elo entre as contradições e a modernidade. 2ªed.

Belo Horizonte: Autêntica. 2005.

DOMINGUES, V. R. Paĩ Tavyterã ára jepapa ro’y pukukueja: “Calendário do povo

Paĩ Tavyterã”. Monografia (Graduação) – História – Universidade Estadual de Mato

Grosso do Sul. Amambai, 2017.

ELIAS, Norbert. Sobre o tempo. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro. Zahar ed. 1998.

MOTA, J. G. B. Relação espaço-temporal Guarani e Kaiowá: entre os modos de viver

dos antigos (Tekoyma) e os novos modos de viver (Tekopyahu). Entrelaçando Revista

Eletrônica de Culturas e Educação. N05, Ano III (2012) jan/abr

KOPENAWA, D. BRCE, A. A queda do céu: palavras de um xamã Yanomami. São

Paulo> Cpmanhia das Letras, 2015

OLIVEIRA, M. A. M.; BERNAL, J. I. O. A escol(h)a indígena: um olhar –

etnomatemático (?) – a respeito dos/junto aos Guarani e Kaiowá. In: VALE, J. C. A.;

CONRADO, A. L; COPPE, C. (Orgs) O florescer da Grumixama: raízes, sementes e

frutos das pesquisas em Etnomatemática em 20 anos de GEPEm/Feusp. Jundiaí – SP:

Paco, 2020.

PEREIRA, L. M. A Reserva Indígena de Dourados: a atuação do Estado brasileiro e o

surgimento de figurações indígenas multiétnicas. In: CHAMORRO. G. e COMBÈS, I.

(Org). Povos indígenas em Mato Grosso do Sul: história, cultura e transformações

sociais. Dourados, MS: Ed. UFGD, 2015.

QUIJANO, A. “colonialidad y modernidad/racionalidad”. Perú Indígena (lima) vol. 13,

nº 29, 1992.

SMITH, L. T. Decolonizando metodologias: pesquisa e povos indígenas. Trad. Roberto

G. Barbosa. Curitiba. Ed. UFRP, 2018.

Referências do Conhecimento Indígena.

AJALA, Epfania Sanches-idade 101 anos.

MARTINS, José Bino-idade 65 anos

SANCHES, Jonas-idade 60 anos

SOUZA, Inocência-idade 79 anos

Downloads

Publicado

2021-11-24

Como Citar

SANCHES MARTINS, Issias; OLIVEIRA, MARIA APARECIDA. Ára (Tempo/Espaço): MARCADORES DO TEMPO NA PERSPECTIVA GUARANI NO ESPAÇO DA RESERVA INDÍGENA DE AMAMBAI. Revista Interdisciplinar em Ensino de Ciências e Matemática, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 142–153, 2021. DOI: 10.20873/riecim.v1i2.12751. Disponível em: https://sistemas.uft.edu.br/periodicos/index.php/RIEcim/article/view/12751. Acesso em: 21 abr. 2024.